Babysitting a part-time dá até 660 euros por mês

Procura pelos serviços de babysitting disparou 176% nos primeiros sete meses do ano e 89% dos pais não obteve resposta. O preço médio cobrado para tomar conta de crianças ronda os 7,50 euros à hora.

Filipa Quito
Babysitters cobram 7,50 euros à hora © Unsplash

Tomar conta de crianças a part-time (tempo parcial) pode dar um salário de até 660 euros por mês. A procura pelos serviços de babysitting tem vindo a aumentar e o número de famílias que procura estes serviços disparou 176% nos primeiros sete meses do ano, tendo sido registado um crescimento de 54% entre os anos 2020 e 2021, segundo um estudo da empresa de contratação de serviços Fixando.

Existe um desnível entre a oferta e a procura de babysitters e, no mês de julho, cerca de 89% dos pedidos registados pela Fixando não obtiveram resposta. Isto deve-se à passagem do serviço para o online (aplicações e sites), refere Alice Nunes, diretora de Novos Negócios da Fixando.

"Nos últimos anos, especialmente com o pós-pandemia, muitos pais procuram este serviço de forma esporádica, de forma a poder valorizar o tempo a dois, principalmente nas grandes cidades", destaca a responsável.

O preço médio cobrado para tomar conta de crianças, de acordo com a mesma análise, ronda os 7,50 euros à hora, valor que não sofreu alterações no ano passado e que permite aos babysitters faturarem, a meio tempo, entre 330 e 660 euros mensais.

Alice Nunes alerta ainda que, dependendo do que é procurado pelos pais e da idade das crianças, os requisitos para a prestação destes serviços podem ser diferentes.

"Para alguns pais com crianças mais velhas, cujo serviço assenta frequentemente em ir buscar a criança à escola e ajudar nos trabalhos de casa, um jovem a frequentar o ensino secundário e com experiência com crianças será suficiente. No entanto, especialmente quando falamos de crianças mais pequenas, é necessário que, para além de muita experiência, o babysitter tenha formação na área", conclui a diretora.

<strong>Maior procura para tomar conta de crianças até aos três anos</strong>

As crianças entre um e três anos de idade motivaram até 43% dos pedidos, sendo que 33% são para crianças com menos de um ano e 18% entre os quatro e sete anos. As crianças com mais de oito anos completam os restantes 6% dos pedidos.

De acordo com o mesmo estudo, 50% dos pais portugueses que estão registados na app da Fixando pretendem um acompanhamento de, pelo menos, quatro horas diárias e cerca de 35% requerem serviços para o dia inteiro.

Quanto à frequência dos serviços, 53% procura babysitters para todos os dias úteis, 10% apenas para o fim de semana, e 12% contrata amas apenas esporadicamente.

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG