Centro de serviços partilhados da farmacêutica Organon vai empregar 200 pessoas em Lisboa

Empresa nasceu de um spinoff ocorrido o ano passado, finalizou 2021 com uma faturação de aproximadamente 50 milhões de euros e prevê crescer 2,5% este ano.

Mónica Costa
Ricardo Oliveira, diretor-geral da Organon em Portugal © DR

A farmacêutica americana Organon prepara-se para abrir em Lisboa o seu centro de serviços partilhados, onde em 2023 vão trabalhar a tempo inteiro cerca de 200 pessoas. O espaço deve entrar em funcionamento em meados deste ano.

A empresa, que resultou de um spinoff da Merck Sharp & Dohme (MSD), ocorrido em junho de 2021, conseguiu no ano passado uma faturação de aproximadamente 50 milhões de euros e prevê crescer 2,5% em 2022. Embora estejam confiante que possa haver um crescimento acima deste valor, revelou ao Dinheiro Vivo o diretor-geral da Organon em Portugal, Ricardo Oliveira.

A Organon chegou a Portugal pouco tempo depois do spinoff, ou seja em setembro do ano passado. Atualmente conta com 70 colaboradores no nosso país, mas este número poderá ultrapassar os 250 depois da abertura do Global Shared Services Center (Centro de Serviço Partilhados) que irá fornecer serviços globais de apoio à operação da empresa à escala global, incluindo Finanças, Recursos Humanos e Procurement, explicou aquele responsável.

O centro deverá estar completamente operacional no próximo ano, altura em que os profissionais "desempenharão serviços para mais de 50 países em todo o mundo, em diversas línguas", revelou Ricardo Oliveira.

O processo de recrutamento já começou e atualmente decorrem cerca de 15 contratações e 20 pessoas em fase de contratação.

A decisão de abrir este centro em Lisboa "reforça o compromisso da empresa com o país, já que a Organon vai tornar-se uma das maiores empresas farmacêuticas em Portugal, em número de colaboradores", assume Ricardo Oliveira.

Os portugueses têm vindo a destacar-se consistentemente em meios internacionais, e isso chamou a atenção da Organon para os profissionais do nosso país, declara o responsável, que ressalva que Portugal beneficia de "uma força de trabalho altamente qualificada, formada academicamente em universidades de referência e essa é uma realidade cada vez mais conhecida pelo resto da Europa".

A Organon

A Organon é uma farmacêutica especializada na saúde da mulher e "focada em identificar e promover o desenvolvimento de opções terapêuticas para a saúde da mulher", explica a marca.

Segundo Ricardo Oliveira, o futuro da empresa "assenta no conhecimento das necessidades dos doentes e na investigação e desenvolvimento de novas soluções terapêuticas que venham a dar resposta a necessidades não preenchidas".

Desde o seu lançamento, a farmacêutica já adquiriu várias empresas ou marcas ligadas à saúde da mulher. "Estamos muito entusiasmados com estas aquisições que trarão enorme inovação no tratamento da endometriose, partos prematuros e hemorragia pós-parto", declara o diretor-geral da marca em Portugal, que aproveita para anunciar uma novidade: "a expectativa é lançar o nosso dispositivo para o controlo da hemorragia pós-parto já no final do próximo ano".

Ricardo Oliveira traz para a Organon toda uma experiência adquirida na MSD e é com gratidão que fala da oportunidade que teve de ajudar na fundação da nova empresa em Portugal.

"Um dos motivos que me levou a deixar a minha carreira de 10 anos na MSD para me juntar à Organon foi os valores e o espírito que o CEO da empresa e a sua equipa de liderança queriam construir", explica, frisando que na jovem empresa as pessoas são valorizadas e que quem tem potencial e "veste a camisola" tem oportunidades de crescimento.

"Tenho muito orgulho nos resultados que conquistámos e do nível de engajamento dos nossos colaboradores da Organon em Portugal. Estamos no caminho certo e a abertura do nosso Global Shared Service Center vem consolidar a nossa presença em Portugal como uma das maiores farmacêuticas do nosso país", afirma Ricardo Oliveira.

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG