Comboios aderem à febre das bicicletas

CP está a aumentar lugares disponíveis para veículos de duas rodas, sobretudo na linha do Douro. À conta da aposta nos velocípedes, a transportadora foi premiada pela Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta.

Diogo Ferreira Nunes
Interior da carruagem Sorefame preparada para receber 12 bicicletas. © DR

Manuais ou com assistência elétrica, as bicicletas estão a conquistar cada vez mais adeptos em Portugal. Os comboios também estão a aderir a esta febre, com cada vez mais lugares disponíveis para transportar os veículos de duas rodas de norte a sul do país. O transporte de velocípedes sobre carris é gratuito.

Nos últimos meses, as oficinas da CP têm estado dedicadas à transformação de um total de oito carruagens: quatro são da suíça Schindler; as restantes foram fabricadas na portuguesa Sorefame. Todas as unidades servem atualmente para o comboio interregional da linha do Douro.

As composições portuguesas estão a ser transformadas para passarem a receber, cada uma, 12 bicicletas. Duas das unidades já entraram em circulação na linha que une Porto ao Pocinho; as outras duas serão postas a circular até 15 de outubro, segundo informação enviada ao Dinheiro Vivo por fonte oficial da CP.

Nestas composições, as bicicletas têm de ser encaixadas nos suportes em posição vertical para deixar o corredor livre, numa solução semelhante à utilizada nas carruagens dos comboios Intercidades.

"O nosso público-alvo são os fãs das bicicletas, que nunca andaram de comboio por falta de condições a bordo e que agora já o podem fazer", destaca o responsável de engenharia da CP. José Carlos Barbosa exemplifica que os passageiros com bicicletas "podem sair na estação da Régua e fazerem o percurso de bicicleta até à estação do Pinhão pela estrada nacional 222".

As carruagens Sorefame adaptadas passaram a contar com 80 lugares sentados, em vez dos anteriores 96. Como os comboios interregionais são feitos com locomotiva a rebocar carruagens, a CP lembra que é possível colocar mais composições em circulação na linha do Douro caso a procura supere as expetativas.

As outras carruagens já renovadas foram fabricadas na Suíça na década de 50. Cada uma das quatro carruagens Schindler deste lote passou a acomodar duas bicicletas por unidade.

Nas próximas semanas vão entrar em circulação as primeiras carruagens Arco para o serviço interregional na linha do Minho. Uma em cada três composições terá capacidade para transportar até oito bicicletas de cada vez, respondendo à procura dos turistas em duas rodas.

Graças a este esforço, a transportadora pública foi premiada na segunda-feira pela Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta, numa cerimónia que decorreu no auditório da Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, em Telheiras, Lisboa.

<strong>E nas restantes linhas?</strong>

Apesar do prémio, a CP ainda tem muito a fazer em prol dos utilizadores das bicicletas. Por exemplo, na linha do Vouga, as unidades duplas a gasóleo dificultam a entrada de bicicletas. Praticamente não há horários disponíveis, segundo a informação que consta na página oficial.

No Alfa Pendular, as bicicletas apenas podem ser transportadas "desde que desmontadas e devidamente acondicionadas como bagagem que não exceda, nos porta volumes ou por baixo dos bancos, o espaço correspondente aos lugares a que tenham direito, num máximo de um volume por passageiro", segundo a informação da página oficial da transportadora.

Para os comboios mais rápidos da CP receberem bicicletas sem serem desmontadas seria necessária uma "redução significativa do número de lugares de passageiros", segundo fonte oficial.

No Intercidades, são permitidas duas bicicletas por cada carruagem de segunda classe, embora os suportes acomodem bicicletas com peso máximo de 15 quilos.

Nos restantes comboios regionais, é possível transportar bicicleta se o passageiro dirigir-se ao revisor, que terá de verificar o espaço disponível nas composições.

Nos comboios urbanos, há espaços próprios para o transporte de bicicletas todos os dias e em todos os horários.

Nos próximos anos, a CP terá de dar mais espaço para as bicicletas. Segundo a reforma dos direitos dos passageiros dos transportes ferroviários da UE, terão de existir "no mínimo, quatro lugares reservados a bicicletas em cada comboio". As regras vão aplicar-se para a compra de novo material circulante ou na "remodelação substancial" de unidades mais antigas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG