OMT: Turismo mundial deve perder 1,78 biliões de euros em 2021

O setor do turismo mundial deverá perder dois biliões de dólares (1,78 biliões de euros), este ano devido a restrições ligadas à pandemia de covid-19, disse no domingo a Organização Mundial do Turismo (OMT).

Dinheiro Vivo/Lusa
Women sit at Green Point during the US Independence Day holiday in New York on July 4, 2021. - Parties have been making a comeback in New York where the city's Covid-19 vaccination rollout has drastically reined in coronavirus case numbers and almost all restrictions designed to curb the spread of the virus have been lifted. (Photo by Kena Betancur / AFP) © AFP

Esta estimativa, semelhante às perdas sofridas em 2020, surge à medida que foram introduzidas novas restrições, particularmente na Europa, para lidar com uma nova vaga da epidemia e evitar que a variante Ómicron, detetada pela primeira vez na África do Sul, se espalhe por todo o mundo.

Estes últimos desenvolvimentos mostram que "a situação é totalmente imprevisível" e que o setor do turismo não está imune a perigos suscetíveis de causar "enormes danos" económicos, disse à agência francesa AFP, o Secretário-Geral da OMT, Zurab Pololikashvili.

Segundo a agência especializada das Nações Unidas, que realizará a sua Assembleia Geral em Madrid, Espanha, de 30 de novembro a 03 de dezembro, as chegadas de turistas internacionais deverão permanecer este ano "70 a 75% mais baixas" do que antes da pandemia.

"A crise no setor do turismo é histórica, mas o turismo tem a capacidade de recuperar rapidamente", disse Zurab Pololikashvili, que espera que 2022 seja um ano muito melhor do que 2021.

Segundo o barómetro publicado pela agência das Nações Unidas, as chegadas de turistas internacionais "recuperaram durante a estação do Verão", sugerindo uma melhoria após um início lento do ano, graças "à rápida progressão das vacinas".

Contudo, "o ritmo da recuperação continua a ser desigual em todo o mundo", refere um comunicado da OMT, atribuindo essa situação a "diferentes restrições de mobilidade, taxas de vacinação e confiança dos viajantes".

Durante o terceiro trimestre, algumas ilhas das Caraíbas, bem como vários destinos do sul da Europa e do Mediterrâneo, registaram "chegadas próximas de (...) ou mesmo superiores" aos níveis de 2019, disse a organização sediada em Madrid.

Outros países, contudo, praticamente não viram turistas, nomeadamente na Ásia e na região do Pacífico, onde muitos Estados ainda proíbem viagens "não essenciais".

De acordo com a OMT, 46 países permanecem nesta fase completamente fechados aos turistas, ou seja, um em cada cinco destinos, e 55 estão parcialmente fechados. Em contrapartida, quatro países levantaram todas as restrições: Colômbia, Costa Rica, México e República Dominicana.

Esta situação cria "confusão" e dificulta a retoma da atividade, diz a agência das Nações Unidas, que apela aos países para "harmonizar" os seus protocolos, tirando partido dos progressos ligados à "vacinação" e às novas "aplicações digitais".

Devido às incertezas que rodeiam a evolução da epidemia, a OMT não apresenta, nesta fase, uma estimativa do número de turistas que poderiam viajar para o estrangeiro em 2022. Mas adverte que a recuperação será "lenta" e "frágil".

As "taxas de vacinação desiguais" e "novas estirpes de covid-19", incluindo a variante Ómicron, poderão dificultar esta "recuperação", sublinha a organização, que também teme os efeitos do "recente aumento dos preços do petróleo" nas viagens.

Face a estes obstáculos, só uma "resposta coordenada" dos países permitirá "restaurar a confiança dos consumidores", conclui a OMT, que planeou debater estas questões na sua Assembleia Geral na capital espanhola.

A reunião, que contará com a participação de representantes dos 159 estados-membros, estava inicialmente agendada para Marraquexe, Marrocos. No entanto, Marrocos decidiu não acolher o evento devido ao ressurgimento dos casos covid-19 em muitos países.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG