Portugal é 4.º país da UE com maior proporção de acessos com 100 Mbps, diz a Anacom

A Autoridade Nacional de Comunicações explica ainda que a utilização de banda larga fixa nas empresas é de 95% (94% UE) e a banda larga móvel representa 69% (72% UE).

Dinheiro Vivo/Lusa
Anacom divulgou retrato das comunicações portuguesas © Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

Portugal é o quarto país da União Europeia (UE) "com maior proporção de acessos com 100 Mbps ou mais", refere a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) No retrato das comunicações eletrónicas em Portugal em 2021 divulgado esta terça-feira.

No Dia Mundial das Telecomunicações, que se assinala esta terça-feira, o regulador divulga uma nota sobre o estado das telecomunicações em Portugal e como se comparam a nível da UE, apontando que as comunicações eletrónicas "são imprescindíveis na sociedade moderna".

A Anacom aponta que, "nas famílias portuguesas a taxa de acesso à banda larga fixa de 81% (77% UE)" e "a banda larga móvel representa 47% dos acessos (58% UE)".

A nível global, o acesso à Internet residencial em Portugal "situa-se nos 87%), abaixo dos 92% da UE. Em sentido inverso, "o telefone fixo ainda é relevante em termos nacionais, com mais de 50 acessos por cada 100 habitantes, contrariando a tendência de queda na maioria dos países da UE, que têm 35,6 acessos por cada 100 habitantes".

A utilização de banda larga fixa nas empresas "é de 95% (94% UE) e a banda larga móvel representa 69% (72% UE)", adianta a Anacom, numa nota.

O regulador refere ainda que "a utilização individual de serviços 'Over-The-Top cresceu no caso do 'instant messaging', com 75% (70% UE) e das chamadas de voz e vídeo 66% (65% UE)".

Por sua vez, as redes sociais, a frequência de cursos 'online' e a utilização de material de aprendizagem 'online' também foram acima da média da UE, 65% (57% UE), 20% (18% UE) e 27% (21% UE) respetivamente", prossegue a Anacom.

O uso de Internet 'banking' "situou-se nos 53%", abaixo dos 58% da União Europeia.

No ano passado, "os dados parecem indicar uma alteração dos comportamentos individuais de utilização da Internet na sequência da pandemia de covid-19, que levou a níveis sem precedentes de teletrabalho e de aulas à distância, provocou um aumento extraordinário da utilização de serviços de comunicações e uma alteração dos padrões de consumo", salienta o regulador.

Mais Notícias

Veja Também

Outros Conteúdos GMG