AMRR. "É muito importante o lay-off manter-se nos mesmos moldes que o anterior"

Governo anunciou esta quarta-feira um novo confinamento geral, a partir da meia-noite de sexta-feira, que vai encerrar durante 30 dias o retalho.

Rapidez nas medidas de apoio e que o lay-off seja nos mesmos moldes do primeiro confinamento que ditou o fecho do retalho é o apelo da Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) depois de o Governo anunciar o novo confinamento geral durante um mês.

"Não discutimos as medidas que são tomadas por cientistas/médicos, se tem que ser tem que ser. Compreendemos isso", começa por reagir Miguel Pina Martins, presidente da AMRR, em declarações ao Dinheiro Vivo.

"O que pedimos nesta fase é acima de tudo que as medidas de apoio às empresas fechadas sejam muito rápidas. É muito importante o lay-off manter-se nos mesmos moldes que o anterior que foi uma medida importante e reconhecida por todos como fundamental para a sobrevivência de muitos negócios", defende.

O Conselho de Ministros determinou hoje que "ficam suspensas as atividades de comércio a retalho e de prestação de serviços em estabelecimentos abertos ao público, com exceção daquelas que disponibilizem bens ou prestem serviços de primeira necessidade ou outros considerados essenciais".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de