5G

Anacom. “Houve entidades que expressaram interesse” no 5G

João António Cadete de Matos (Presidente da ANACOM). (Amin Chaar / Global Imagens)
João António Cadete de Matos (Presidente da ANACOM). (Amin Chaar / Global Imagens)

Anacom revela estratégia em conferência de imprensa com o seu presidente, João Cadete Matos.

“Ao regulador cabe criar as condições para que esse desenvolvimento da concorrência possa ter lugar, para que esses novos entrantes tenham a possibilidade de entrar”, defendeu João Cadete Matos, presidente da Anacom, na conferência de imprensa sobre a apresentação do projeto para o regulamento do leilão de 5G.

Essas condições “podem passar pela partilha das soluções já instaladas, partilhando custos de investimento”, pelo roaming nacional, por operadores virtuais ou pela compra de espetro, explicou. O regulamento prevê “pelo menos três opções para criar condições para que haja entrada de novos operadores móveis”, adiantou ainda o responsável. Já no caso do roaming nacional este “passará a ser obrigatório” que seja dado aos novos entrantes e, caso isso não aconteça, a “Anacom não deixará de intervir”.

Esta medida irá beneficiar igualmente os operadores já no mercado no que toca ao cumprimento das obrigações de cobertura nacional e há interessados em entrar no mercado nacional, garantiu Cadete Matos. “Na consulta que foi feita no início do ano houve interessados que expressaram esse interesse”, diz, mostrando a expetativa que esse interesse se concretize no leilão.

“Falta em Portugal oferta competitiva relativamente aos preços das comunicações, sobretudo no acesso a banda larga”, defende João Cadete Matos. “Nos países em que existe um quarto operador móvel os preços das comunicações são mais favoráveis”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Anacom. “Houve entidades que expressaram interesse” no 5G