Reclamações

CTT, Meo, NOS e Vodafone lideram aumento de queixas na Anacom

Foto: DR
Foto: DR

Subiram as queixas sobre os CTT e os três maiores operadores de telecomunicações em 2018. Anacom registou um total de 104 mil queixas, mais 3%.

A Anacom-Autoridade Nacional de Comunicações registou 104 mil reclamações em 2018, um aumento de 3% face ao ano anterior, devido ao aumento de queixas sobre os CTT e os três maiores operadores de telecomunicações: Meo, NOS e Vodafone.

Do total de queixas registadas pelo regulador, as reclamações relativas ao setor das telecomunicações desceram 4,5% para 81 mil e as relacionadas com o setor postal aumentaram 43% para 23 mil.

“No caso das reclamações referentes ao sector das comunicações eletrónicas e apresentadas no livro de reclamações, os três maiores operadores foram responsáveis por 96% do total de reclamações [43% contra a Meo, 32% contra o grupo NOS e 21% contra a Vodafone]”, refere a Anacom num comunicado divulgado esta quarta-feira.

“Face ao ano anterior, a Meo, com 28 mil reclamações, teve um aumento de 23%, o grupo NOS, com 21 mil reclamações, um aumento de 3%, e a Vodafone, com 14 mil reclamações, um aumento de 12%”, adianta.

Avarias, faturação e cancelamento de serviços foram as principais queixas dos consumidores em relação aos operadores de telecomunicações.

As queixas contra os CTT subiram 36% para 20 mil, correspondendo a 87,4% do total doe reclamações sobre o sector postal. As principais queixas em relação ao setor postal deveram-se a atrasos na entrega de correspondência, extravio/atraso significativo, atendimento, falta de tentativa de entrega de correspondência ao destinatário e falhas na distribuição.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

(Gustavo Bom / Global Imagens )

Englobamento agrava IRS para rendimentos ‘protegidos’ pelo mínimo de existência

Salvador de Mello
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Saúde não pode andar “ao sabor de ventos políticos”

Outros conteúdos GMG
CTT, Meo, NOS e Vodafone lideram aumento de queixas na Anacom