Distribuição

Antigo distribuidor processa dona da Super Bock em 2,4 milhões

Fotografia: Leonel de Castro/ Global Imagens
Fotografia: Leonel de Castro/ Global Imagens

Primeira sessão do julgamento arranca na quinta-feira no Tribunal de Póvoa de Varzim.

Um antigo distribuidor independente do Super Bock Group está a processar o grupo cervejeiro por “incumprimento contratual”.Pede uma indemnização de cerca de 2,4 milhões. O caso começa a ser julgado a 9 de maio, no Tribunal de Póvoa de Varzim.

O Super Bock Group não comenta. “A empresa não comenta processos jurídicos que estão a decorrer, mas reitera que pauta o seu comportamento pelo estrito cumprimento da lei, adotando as melhores práticas em cooperação com os seus parceiros”, reagiu fonte oficial do Super Bock Group quando contactada pelo Dinheiro Vivo.

O pequeno distribuidor independente assegurou durante cerca de quatro anos a entrega de toda a gama do Super Bock Group (cervejas, águas, vinhos e refrigerantes) nos restaurantes e cafés nos concelhos de Torres Novas, Alcanena, Entroncamento, Chamusca e Golegã. Em dezembro de 2014, a DBS CER viu o contrato que a ligava ao grupo cervejeiro, desde de 1 de abril de 2010, chegar ao fim. “A DSB CER viu-se forçada a encerrar a 31 de dezembro de 2014, data que a Super Bock impôs para término do contrato”, adianta Diamantino Borges, responsável do pequeno distribuidor. Um encerramento que afetou cinco postos de trabalho.

No verão do ano seguinte, a DBS CER avançou com uma ação depois de ter tentado chegar a acordo com o grupo que desde dezembro de 2018 é controlado pela Carlsberg. Sem sucesso. “O processo foi instaurado em julho de 2015, mas, durante o ano anterior decorreram negociações, tendo havido três reuniões, que não terminaram com qualquer acordo”, conta Diamantino Borges.

Quase quatro anos depois, o caso começa a ser julgado no Tribunal de Póvoa de Varzim, com a primeira sessão marcada para dia 9. Pedem uma indemnização de quase 2,4 milhões de euros, “pelo facto de nos ter sido subtraída uma enorme quantia a título de incumprimento contratual, bem assim como por indemnização de clientela”, justifica Diamantino Borges. “O valor do pedido em Tribunal é de 2 379 281,03 euros, acrescido de juros, e corresponde a 1 323 614,27 euros a título de incumprimento contratual e 1 055 666,76 euros a título de indemnização de clientela”, descreve.

A DBS CER acusa o grupo cervejeiro de subtrair de forma “sistemática da percentagem de margem de comercialização contratada”. “A Super Bock impunha a venda a determinados preços, muitas vezes abaixo da nossa margem de comercialização, anunciando a reposição posterior dessa margem. Só que jamais o fazia, nomeadamente não o fazia na base da margem contratualizada”, refere o responsável do antigo distribuidor. Situação que motivou “diversas reclamações” da DSB CER, tendo levado o grupo cervejeiro a não renovar contrato, “emergindo daí um direito de indemnização de clientela. Tal direito afere-se na base da média anual das remunerações recebidas nos últimos cinco anos”, explica.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Restaurante em Vila Real de Santo António. (LUÍS FORRA / LUSA)

Destruição de emprego na pandemia é toda à custa de trabalhadores mais pobres

Fotografia: D.R.

Cofina em alta após lançar OPA sobre a Media Capital

Fotografia: D.R.

Proprietários receiam extensão das moratórias das rendas comerciais

Antigo distribuidor processa dona da Super Bock em 2,4 milhões