entrevista

António Mexia: “A eletricidade não é cara. As casas é que estão mal construídas”

António Mexia, presidente da EDP
António Mexia, presidente da EDP

Em entrevista concedida ao Dinheiro Vivo/TSF, o presidente da EDP diz que a liberalização do mercado de energia foi positiva para muitos clientes.

O presidente da EDP foi esta semana nomeado em Nova Iorque como ‘chairman’ do conselho administrativo do Se For All- uma organização que nasceu no âmbito das Nações Unidas e que envolve as grandes companhias de energia mundiais. Este foi o mote para o Dinheiro Vivo e a TSF entrevistarem António Mexia.

O presidente da elétrica portuguesa rejeita as críticas de que os preços da eletricidade em Portugal são caros. “A eletricidade não é cara. As casas é que são mal construídas”, afirmou o gestor na entrevista que será publicada amanhã no suplemento do Dinheiro Vivo.

António Mexia refere mesmo “o problema é que as pessoas vivem em casas que, muitas vezes, são inaceitáveis. Que não se use este setor como bode expiatório”.

Além de falar sobre os preços de energia, António Mexia fez também um balanço do processo de liberalização do mercado de energia em Portugal. Na sua visão, o balanço é positivo. “Acho que a liberalização foi positiva para muitos clientes, sobretudo para os industriais. Não tenho dúvidas nenhumas”.

Leia a entrevista completa de António Mexia amanhã no DinheiroVivo. Pode também ouvir a entrevista na TSF, neste sábado, depois das 13 horas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Klaus Regling, líder do fundo da zona euro, e Wolfgang Schäuble, ministro das Finanças da Alemanha, o maior acionista. Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Maior credor de Portugal rejeita alívio nos juros da dívida

Fotografia:  JOÃO RELVAS/LUSA

CGD. Divulgação dos rendimentos era problema para Domingues

Fotografia: Nacho Doce/Reuters

Obrigações. Lesados da PT Finance vão processar bancos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
António Mexia: “A eletricidade não é cara. As casas é que estão mal construídas”