Igualdade de Género

António Saraiva quer mais igualdade para mulheres nas empresas

António Saraiva

António Saraiva defendeu novas abordagens para promover a igualdade de género nas empresas, na 107ª Sessão da Conferência Internacional do Trabalho.

“A dificuldade com que as mulheres se deparam na conciliação das responsabilidades familiares com o emprego, mantém-se como o mais sério obstáculo à igualdade de género”, apontou o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, esta quarta-feira, 6.

O responsável da CIP discursou em Genebra, na 107ª Sessão da Conferência Internacional do Trabalho que está a decorrer até 8 de junho e que abrange este ano, entre outras matérias, a Iniciativa Mulheres no Trabalho: o Impulso para a Igualdade. António Saraiva reforçou que é necessário encontrar novas abordagens para promover de forma mais eficaz a cultura da igualdade de género nas empresas.

Apesar de a tendência geral de diminuição da disparidade entre homens e mulheres no emprego e na educação, o presidente da CIP reforçou que existe ainda um longo caminho a percorrer no que toca à igualdade de oportunidades de progressão na carreira, uma vez que as mulheres continuam a ter um papel menos ativo nos altos níveis de direção das empresas.

Para António Saraiva é necessário promover de forma mais eficaz a cultura da igualdade, quebrando as barreiras culturais e assegurando que mulheres e homens sigam uma maior diversidade de carreiras através de vários meios como a educação ou a promoção do empreendedorismo.

“As empresas têm um papel importante a desempenhar neste domínio, na medida em que, se o seu objetivo é serem mais competitivas, necessitam da melhor competência disponível ao nível dos seus recursos humanos, tendendo a optar pelos mais capacitados, quer sejam mulheres ou homens”, alertou.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

António Saraiva quer mais igualdade para mulheres nas empresas