aviação

Antonoaldo Neves: “A pontualidade é a nossa prioridade número um”

Antonoaldo Neves, presidente da Comissão Executiva da TAP. (Fotografia: D.R.)
Antonoaldo Neves, presidente da Comissão Executiva da TAP. (Fotografia: D.R.)

Antonoaldo Neves reage a declarações do presidente da APAVT e diz estar disponível para dialogar com os agentes de viagem.

“Não consigo discutir uma afirmação dessas sem dados e factos”. Foi assim que o presidente da Comissão Executiva (CEO) da TAP, Antonoaldo Neves, reagiu pela primeira vez às declarações do presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que criticou a performance da companhia aérea nacional.

“O nosso maior problema, neste momento, é a performance da TAP. Isso é que nos preocupa, porque é a má ‘performance’ da TAP que temos de gerir todos os dias junto dos nossos clientes. Neste momento, a TAP à cabeça tem uma ‘performance’ de pontualidade muito, muito desagradável”, afirmou Pedro Costa Ferreira à Lusa, na véspera do 44º Congresso da APAVT, realizado em Ponta Delgada.

Antonoaldo Neves encolhe os ombros e diz tratar-se de “uma mera afirmação”. “A pontualidade é a nossa prioridade número um”, assume, deixando depois uma mensagem: a da TAP “está a melhorar brutalmente”. Mas, neste ponto, foi ainda mais longe, garantindo que, hoje, “a pontualidade da companhia era de 94,5%”, num total de 131 voos realizados.

Ainda à margem da cerimónia de entrega do A330-900 neo em Toulouse, França, o gestor da transportadora aérea tentou acalmar os ânimos, admitindo que “a TAP valoriza bastante os agentes de viagem” e está disponível para dialogar.

A TAP é detida em 50% pelo Estado, através da Parpública, em 45% pelo consórcio da Atlantic Gateway e em 5% pelos trabalhadores.

*A jornalista esteve em Toulouse, França, a convite da TAP.

*Última atualização às 22:40.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Antonoaldo Neves: “A pontualidade é a nossa prioridade número um”