APAVT: Greve tem de ser desconvocada já, sob pena de prejuízos irreparáveis no turismo

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) reuniu, esta manhã, com o secretário de Estado do Turismo, Adolfo Mesquita Nunes, a quem deixou um alerta:

“O dead-line para se chegar a um acordo [entre a TAP e a SATA e o Governo para cancelar a greve], já tardio, não se pode estender além deste fim de semana, sob pena de ser inconsequente”.

“O simples anúncio desta greve já deu origem a uma vaga de
cancelamentos de difícil recuperação, tanto no outgoing como no incoming, em
cada dia que passa a situação agrava-se”, considerou Pedro
Costa Ferreira, presidente da APAVT. A “eventual desconvocação da greve, a ter lugar apenas na sua véspera, será um
fracasso”, segundo o representante das agências de viagens, “pois o mal estará feito e sem recuperação possível”.

Tendo apelado “ao bom senso e
patriotismo das partes”, a APAVT deixou ainda o apelo de, caso não venha a ser desconvocada imediatamente a greve, para que o Governo avance para a requisição civil que, não eliminando as consequências. “Poderá
mitigar parte do impacto negativo sobre o Turismo e a economia
nacional”, considera a associação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
APAVT: Greve tem de ser desconvocada já, sob pena de prejuízos irreparáveis no turismo