APB refuta estudo negativo para banca portuguesa sobre comissões bancárias

A Associação Portuguesa de Bancos diz que as comissões bancárias em Portugal são mais baixas do que as praticadas em Espanha.

A Associação Portuguesa de Bancos (APB) contesta as conclusões de uma análise da consultora Deloitte que conclui que os portugueses pagam o dobro em comissões bancárias face aos espanhóis.

"A APB estima que nos serviços bancários básicos e de utilização generalizada , afirma a entidade liderada Fernando Faria de Oliveira.

"Assim, a grande desproporção entre Portugal e Espanha que o estudo da Deloitte sugere não nos parece corresponder à realidade", sublinha.

Adianta que, em Janeiro deste ano, a APB encomendou um estudo comparativo sobre comissões bancárias "a uma reputada consultora", cujas conclusões serão oportunamente apresentadas

A APB alega que o estudo apresenta várias falhas, comparando serviços que não são comparáveis e contém " uma distorção negativa muito significativa em relação a Portugal", por não contemplar uma comparação detalhada dos serviços prestados pela rede Multibanco.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira na sua página na Internet adianta que, "ainda assim, a banca portuguesa situa-se bem na comparação apresentada no estudo em análise, com preço médio inferior à média europeia".

Segundo o estudo da Deloitte - encomendado pela Associação Espanhola de Banca -, a média anual dos preços dos serviços bancários em Portugal é de 78 euros enquanto em Espanha é de 38 euros. A média dos países analisados é de 91 euros.

O estudo analisa os preços pela prestações de serviços financeiros em sete países: Espanha, Portugal, Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Holanda.

Em Portugal, a Deloitte analisou as comissões do Novo Banco, Millennium bcp, Santander e ActivoBank, que representam mais de 50% das caixas Multibanco disponíveis no país.

Para a APB "as conclusões do estudo são relativas a um conjunto de comissões e de custos de serviços muito diversos" e, "ao não focalizar a análise num número limitado de serviços de grande relevo para os consumidores e efetivamente comparáveis, o estudo resolve mal as dificuldades de pertinência e rigor no benchmark comparativo sobre comissões".

Critica ainda o facto de o estudo comparar "onze bancos espanhóis com cerca de três nos outros Estados-Membros" e de não incluir, por exemplo, a Caixa Geral de Depósitos, e de considerar apenas um 'banco digital' por país.

Diz que "parece ser indutora de uma elevada ambiguidade e imprecisão", a apresentação de um valor global baseado numa média do valor das comissões de um grupo alargado de serviços.

Frisa que "sempre que são feitas comparações destes pacotes é preciso saber com rigor os serviços que ali estão incluídos e se os mesmo são de facto comparáveis".

Uma das principais críticas ao estudo prende-se com a rede Multibanco. Segundo a APB, o facto de a análise não parecer contemplar as diferentes características das plataformas disponíveis nos diversos países "é uma distorção negativa muito significativa em relação a Portugal".

"No caso de Portugal, esta questão é de grande relevância, uma vez que a rede Multibanco permite a utilização generalizada e gratuita de uma gama muito mais vasta de serviços que não se encontra habitualmente disponível noutros países da Europa ", sublinha.

Em atualização

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de