Tecnologia

Após multa, Google vai perguntar a donos de Android que browser querem usar

Google-Android-960x540_c

A Google diz "querer dar mais opções de escolha aos utilizadores Android", anunciando alterações aos seus produtos no mercado europeu.

Em julho do ano passado, a Comissão Europeia aplicou uma multa pesada à tecnológica, acusando-a de presença dominante do Chrome e motor de pesquisa da Google nos smartphones Android. Alguns meses depois, a gigante norte-americana reage, naquilo que diz ser “uma resposta direta às preocupações formais levantadas pela Comissão Europeia”.

Falando em “mudança constante”, a Google anuncia as modificações que aí vêm e que vão implicar alterações aos produtos em território europeu. As mudanças começam com a presença do motor de busca da Google e o browser nos telefones Android – uma fatia dominante do mercado.

Realçando que sempre foi possível instalar outras opções de motor de pesquisa ou browser, a Google explica que quer que os utilizadores Android conheçam outras opções além das suas. Como é que isto vai ser feito? Através de perguntas aos utilizadores Android em território europeu sobre qual o browser e motor de pesquisa que querem usar. Até aqui, já estava pré-definido o Google como motor de pesquisa e o Chrome instalado nos smartphones, como o browser pré-definido.

Leia também | Adora Portugal, mas tem problemas na Europa. Entrevista a Matt Brittin, o patrão europeu da Google

A multa da Comissão Europeia, com um valor recorde de 4,3 mil milhões, reforçava em julho que a tecnológica americana teria abusado do seu domínio no mercado de apps do Android, ao incluir de raiz o seu motor de pesquisa e apps Chrome no sistema operativo, além de limitar a escolha dos fabricantes de smartphones em usar versões modificadas do sistema operativo.

Por seu turno, a Google recusou este tipo de acusações, em outubro, referindo na altura que iria recorrer da pesada multa. “Estas últimas alterações demonstram o nosso compromisso contínuo em trabalhar de uma forma aberta e escrupulosa”, ressalva a Google.

Também o Google Shopping, a ferramenta de pesquisa para compras da empresa, já está a ser alvo de alterações, para corresponder às críticas feitas pela Comissão Europeia. “Começámos a testar um novo formato que proporciona links directos para websites de comparação de preços, juntamente com ofertas de produtos específicos de comerciantes”, explica a empresa. Em 2017, uma coima de 2,4 mil milhões de euros, aplicada pela Comissão Europeia, também implicou mudanças neste serviço.

Leia mais sobre tecnologia em Insider.dn.pt

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Facebook's founder and CEO Mark Zuckerberg reacts as he speaks at the Viva Tech start-up and technology summit in Paris, France, May 24, 2018. REUTERS/Charles Platiau - RC11ABE16B10

Abusos nos dados privados pode custar ao Facebook entre 3 a 5 mil milhões

Foto: Global Imagens

Jovens licenciados portugueses com maior probabilidade de terem salários baixos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa,  intervem durante a sessão solene comemorativa dos 45 anos da Revolução de 25 de Abril na Assembleia da República em Lisboa, 25 de abril de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Presidente da República pede “mais ambição” para resolver problemas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Após multa, Google vai perguntar a donos de Android que browser querem usar