Criptomoedas

AppCoins. A moeda digital portuguesa procura parceiros em Barcelona

Paulo Trezentos e Álvaro Pinto, fundadores da Aptoide. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Paulo Trezentos e Álvaro Pinto, fundadores da Aptoide. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Criptomoeda portuguesa vale atualmente 60,1 milhões de euros e é considerada uma das 200 moedas virtuais mais valiosas do mundo.

Álvaro Pinto e Paulo Trezentos estão pela sexta vez no Mobile World Congress (MWC), em Barcelona. Mas, em 2018, em vez de estarem a mostrar a Aptoide, a terceira maior loja de aplicações do mundo, estão a apresentar a AppCoins, a moeda digital com ADN português e que está à procura de parceiros. A AppCoins deverá também ser transformada numa fundação até ao final de 2018, adiantou Álvaro Pinto em declarações ao Dinheiro Vivo-.

“Estamos a tentar trazer parceiros para o projeto. As AppCoins são um protocolo para distribuição de aplicações móveis e para resolver os problemas existentes neste tipo de economia. Procuramos lojas de aplicações, fabricantes de equipamentos móveis, programadores e editores de software de todo o mundo”, justifica Álvaro Pinto, responsável operacional da Aptoide, a empresa que lançou esta criptomoeda em novembro de 2017.

A criptomoeda portuguesa vale atualmente 73,9 milhões de dólares (60,1 milhões de euros) e é considerada uma das 200 moedas virtuais mais valiosas do mundo, segundo a base de dados CoinMarketCap. Durante a pré-oferta inicial de moeda (ICO, na sigla original), foram obtidos 1,8 milhões de dólares (1,5 milhões de euros, na altura).

As AppCoins são moedas (ou tokens) baseadas na tecnologia blockchain e que poderão ser usadas na loja virtual da Aptoide. Estes tokens podem ser transacionados em plataformas como a Binance e Ubby.

A empresa encontra-se atualmente a desenvolver todo o protocolo relacionado com as AppCoins. Álvaro Pinto exemplifica “depois do ICO, começámos a desenvolver tecnologia para suportar o protocolo, como a wallet, que pode ser usada para transação das AppCoins”. A partir de março, a AppCoins “será um protocolo aberto e com recurso a open source, ou seja, será libertada para o mercado e qualquer interessado em desenvolver poderá utilizar e reutilizar o código”.

Três meses mais tarde, a partir de junho, será possível fazer pagamentos com AppCoins em lojas de aplicações, como a Aptoide. No final do ano, em novembro, vai nascer a fundação dedicada a esta criptomoeda, a App Store Foundation.

“Como é um protocolo aberto, não queremos que seja a Aptoide a gerir o planeamento e o mapeamento das AppCoins. Tem de ser uma entidade independente a gerir o percurso desta criptomoeda e protocolo”, sinaliza Álvaro Pinto.

*Jornalista viajou a convite da Mercedes Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves EPA/GUILLAUME HORCAJUELO

TAP contrata mil tripulantes, traz 37 aviões novos e liga o Whatsapp (de graça)

Fotografia: João Girão/Global Imagens

Autoeuropa pode parar a qualquer momento por falta de espaço para os carros

gaspar fmi contas públicas défice dívida

FMI. Dívida mundial atinge máximo histórico de 162 biliões de euros

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
AppCoins. A moeda digital portuguesa procura parceiros em Barcelona