Guerra comercial

Apple abre centro de desenvolvimento de apps na China apesar da guerra comercial

Imagem de instalações da Apple em Pequim, China. (EPA/ROMAN PILIPEY)
Imagem de instalações da Apple em Pequim, China. (EPA/ROMAN PILIPEY)

Apesar do confronto EUA/China, Appple ajudará a atender 2,5 milhões de criadores de aplicações para os seus dispositivos em Xangai.

A gigante norte-americana da tecnologia Apple inaugurou esta quarta-feira o primeiro centro para desenvolvimento de aplicações na China, reforçando o compromisso com um dos seus maiores mercados, numa altura de disputas comerciais entre Pequim e Washington.

Segundo o jornal Shanghai Daily, o centro de design e desenvolvimento foi inaugurado em Xangai, “capital” financeira da China, e ajudará a atender 2,5 milhões de criadores de aplicações para os dispositivos Apple.

O centro fornecerá assistência técnica através de conferências, seminários e treino, respondendo ao pedido dos programadores chineses, que reclamavam da dificuldade em comunicar com a empresa.

A China tem mais de 2,5 milhões de criadores de aplicações da Apple e, desde 2010, quando a App Store se estreou no país, os criadores chineses faturaram mais de 200.000 milhões de yuans (cerca de 26.200 milhões de euros) com a venda de ‘apps’ em todo o mundo.

A Apple tem mais quatro centros de Pesquisa e Desenvolvimento no país – Pequim, Shenzhen, Xangai e Suzhou – num investimento total de 3,5 mil milhões de yuan (454 milhões de euros), que emprega cerca de 1.000 pessoas, nas áreas hardware, software e serviços.

No final de 2018, a empresa tinha um total de 51 lojas na China.

A abertura do centro ocorre num período de tensão entre Estados Unidos e China, devido às políticas industriais e tecnológicas de Pequim.

A administração de Donald Trump proibiu as empresas do país de fornecerem tecnologia chave à gigante chinesa das telecomunicações Huawei, medida entretanto suspensa.

A Apple é uma das empresas que condenou publicamente as disputas comerciais, através de uma carta enviada às autoridades norte-americanas, na qual apela a que não sejam impostas mais taxas alfandegárias sobre bens produzidos na China, já que afetaria a produção do iPhone, “reduzindo” a contribuição da empresa para a economia norte-americana.

O CEO da empresa, Tim Cook, alertou no início de janeiro para o impacto das disputas numa carta aos acionistas.

Tim Cook reviu em baixa as expectativas de receitas e alertou para a queda nas vendas do iPhone, devido ao abrandamento da economia chinesa e ao impacto da guerra comercial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lear Corporation

Há mais de 800 mil portugueses a trabalhar por turnos

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública. (António Pedro Santos / Lusa)

Governo vai reservar verba para financiar pré-reformas no Estado

Rui

“Se Rui Rio ganhar as eleições do PSD este Governo dura quatro anos”

Outros conteúdos GMG
Apple abre centro de desenvolvimento de apps na China apesar da guerra comercial