Tech

Apple trabalha num iPhone que carrega sem ligar à corrente

Apple3

Apple trabalha com parceiros numa tecnologia sem fios. Os primeiros iPhones e iPads com esta tecnologia podem ser colocados à venda já em 2017.

A Apple está a trabalhar num iPhone que carrega a bateria remotamente e a longa distância. A tecnologia está a ser desenvolvida com parceiros nos Estados Unidos e Ásia e poderá já estar disponível em 2017, avança a Bloomberg com base em fontes próximas.

A marca está a trabalhar numa tecnologia que irá permitir carregar remotamente os iPhones ou iPads a distâncias superiores aos atuais carregadores sem fios usados em algumas gamas de smartphones, colocadas no mercado pela Samsung, Sony e a Google, bem como pela marca norte-americana no seu relógio inteligente, o Apple Watch. Contudo, este tipo de carregadores sem fios exige ainda proximidade/contacto com o aparelho, já que a distância impede um carregamento eficiente, aumentando o tempo que as baterias levam a carregar.

Vencer o desafio da distância no carregamento de baterias

É essa questão da distância que a Apple está a trabalhar, estando ainda a implementação dessa tecnologia a ser decidida. A concretizar-se permitiria à Apple a ser a primeira marca a eliminar o port de entrada do carregador dos aparelhos, uma diferenciação que poderia dar uma vantagem competitiva à marca numa altura em que as vendas do iPhone estão a dar sinais de estagnação e as do iPad estão em queda.

Em 2010 a Apple registou uma patente de uma tecnologia que permitiria usar um iMac como uma espécie de carregador wireless, permitindo carregar baterias até a um metro de distância. A marca tem ainda outro registo de patente de um método para fazer as capas dos telemóveis em alumínio, minimizando as interferências das ondas de rádio com o metal. Tecnologias que poderão ser usadas pela marca nos futuros carregadores sem fios a longa distância.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Apple trabalha num iPhone que carrega sem ligar à corrente