calçado

Aprovados apoios à fábrica de calçado destruída nos fogos

Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Presidente da Carité acredita que a nova empresa estará a laborar a partir de maio.

As obras de reconstrução da OQ, a empresa de calçado de Castelo de Paiva, que ardeu nos incêndios de 15 de outubro, vão começar. Reinaldo Teixeira, o empresário que aceitou comprar e reconstruir a fábrica, que atirou para o desemprego, 92 trabalhadores, anunciou ontem, à margem da visita do secretário de Estado Adjunto e do Comércio às empresas portuguesas presentes na Micam, a maior feira de calçado do mundo, que o Governo já aprovou o projeto que submeteu à Repor, a linha de financiamento de 100 milhões criada para apoiar a recuperação de empresas destruídas nos incêndios na região. O presidente da Carité acredita que a nova empresa estará a laborar a partir de maio.
Reinaldo Teixeira tem já cinco fábricas – duas em Felgueiras, outras tantas em Celorico de Basto e uma em São João da Madeira –, nas quais dá emprego a 500 pessoas. Agora, com esta sexta unidade, em Castelo de Paiva, vai contratar mais 85 (alguns dos funcionários originais da OQ arranjaram já emprego) e que estão a frequentar cursos de formação enquanto aguardam a reconstrução da fábrica. O empresário, que subcontratava trabalho em Castelo de Paiva, mas não tinha qualquer intenção de investir numa nova unidade industrial, foi desafiado pelo secretário de Estado Nelson de Souza a ser parte da solução na região.
O investimento total da Carité em Castelo de Paiva vai rondar 1,5 milhões de euros, dos quais cerca de metade correspondem à recuperação da fábrica e o resto à compra de equipamento. A componente de construção conta com 70% de financiamento a fundo perdido, depois de descontados os cerca de 220 mil euros que o anterior proprietário da OQ recebeu do seguro. Além disso, o projeto contará com apoios relativos à criação de emprego.
Com uma faturação de 27 milhões de euros, em 2017, cerca de 2 milhões a menos do que no ano anterior, “mas com melhores resultados líquidos”, Reinaldo Teixeira pretende produzir calçado desportivo de senhora em Castelo de Paiva, estimando, com isto, aumentar o volume de negócios do grupo em cerca de quatro milhões de euros. A Carité exporta 98% da sua produção, com especial destaque para mercados como a Holanda, França, Alemanha e Inglaterra.
A “bem sucedida” internacionalização do calçado português, combinando mercados tradicionais na Europa com novos mercados como os Estados Unidos, foi uma das questões sublinhadas pelo secretário de Estado Adjunto e do Comércio, à margem da visita à Micam onde, até quarta-feira, 94 empresas nacionais dão a conhecer a sua oferta e procuram alargar a presença externa.
Paulo Alexandre Ferreira lembrou que o Governo está “disponível” para apoiar os industriais nesse seu esforço, dando conta que, no âmbito do Portugal 2020, foram já pagos apoios à internacionalização das empresas portuguesas no valor global de 180 milhões de euros. A inovação e a subida na cadeia de valor foram, também, destacadas. “É preciso arriscar sair da zona de conforto e explorar novos mercados, novas formas de inovar e, com isso, trazer valor acrescentado para as empresas. O calçado deve servir de exemplo para outros setores de atividade em Portugal”, frisou.
* Jornalista viajou para Milão a convite da APICCAPS.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento pode trazer novo alívio de 200 milhões de euros no IRS

Ponte 25 de Abril

Atrasos no concurso não comprometem arranque das obras na Ponte 25 de Abril

LEONARDO NEGRAO /Global Imagens

Grupo português investe 80 milhões na compra da Toys “R” Us Iberia

Outros conteúdos GMG
Aprovados apoios à fábrica de calçado destruída nos fogos