Tecnologia

Aptoide perde utilizadores e culpa a Google. “É um movimento agressivo”

Paulo Trezentos e Álvaro Pinto, fundadores da Aptoide. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens
Paulo Trezentos e Álvaro Pinto, fundadores da Aptoide. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Cofundador da loja de aplicações para Android também considera que, em Portugal, a Google está a desrespeitar uma ordem da justiça.

Há um novo capítulo na guerra entre a Aptoide e a Google: a empresa portuguesa lançou uma campanha contra a gigante norte-americana e pede que a Google pare de bloquear a concorrência no sistema operativo Android.

“A Google está a impedir que os utilizadores escolham de forma livre a sua loja de aplicações preferida. A liberdade de escolha dos consumidores está em jogo”, lê-se no site da campanha e que é intitulada de Google Play Fair [Google joga limpo, em tradução livre].

Em causa está o facto de a aplicação da Aptoide, uma loja de aplicações alternativa ao Google Play e com mais de 200 milhões de utilizadores, estar a ser identificada como um serviço malicioso nos smartphones Android. A Google tem uma ferramenta de verificação de segurança que analisa todas as aplicações instaladas num smartphone e caso identifique alguma como maliciosa, essa aplicação, mesmo que instalada, deixa de aparecer na listagem de aplicações dos utilizadores.

Mesmo que a pessoa identifique a Aptoide como segura, como uma aplicação na qual confia, a instalação de aplicações através desta loja não funciona. De acordo com uma entrevista de Paulo Trezentos, cofundador e diretor executivo da Aptoide, à publicação TechCrunch, a empresa perdeu entre 15 a 20% dos utilizadores desde junho de 2018 após o bloqueio da Google.

“Felizmente temos conseguido compensar com novos utilizadores e novas parcerias, mas é uma barreira para um crescimento mais rápido”, explicou Paulo Trezentos.

Leia também | Adora Portugal, mas tem problemas na Europa. Entrevista a Matt Brittin, o patrão europeu da Google

O líder da empresa portuguesa chega mesmo a dizer que se a atitude da Google relativamente à Aptoide parece violenta, “é porque é realmente um movimento agressivo e com impacto”.

“A Google está a remover a Aptoide dos telefones dos utilizadores apenas por motivos anticoncorrenciais. Não quer mais ninguém como um canal de distribuição no Android”, acrescentou o responsável. “Como a Google tem uma posição dominante, isso não é legal”, sublinhou ainda.

Paulo Trezentos vai mais longe e diz mesmo que a Google tem estado a ignorar uma decisão da justiça portuguesa, que deu razão à queixa apresentada pela empresa portuguesa, e ordenava que a gigante tecnológica parasse de identificar a Aptoide como um serviço malicioso.

“A Google está a ignorar o resultado da ordem e está a desconsiderar o tribunal. Nenhuma empresa, independentemente do tamanho, deve estar acima das decisões dos tribunais. Mas parece que esse é o caso com a Google”, disse ainda ao TechCrunch.

A Insider tentou contactar os dois cofundadores da Aptoide, mas sem sucesso. A Insider também já pediu uma reação à Google Portugal à campanha lançada pela Aptoide e atualizará o artigo assim que tiver resposta.

Já a nível internacional, a Google diz que o bloqueio feito à Aptoide acontece pois a loja de aplicações permite a instalação de aplicações inseguras – algo que, como já se viu em várias ocasiões, também acontece com a loja Google Play. Já Paulo Trezentos defende que a Aptoide é 100% segura e que a sua plataforma foi desenhada, desde o início, tendo a segurança dos utilizadores em consideração.

Recorda-se que a Aptoide foi uma das empresas queixosas sobre posição dominante da Google no sistema operativo Android e que resultou numa multa de 4,3 mil milhões de euros, aplicada pela Comissão Europeia, para a gigante dos EUA.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Aptoide perde utilizadores e culpa a Google. “É um movimento agressivo”