Petróleo

Arábia Saudita defende redução da produção de petróleo

Fotografia: Reuters/Brendan McDermid
Fotografia: Reuters/Brendan McDermid

Os preços do petróleo caíram quase 20% em um mês. Sauditas querem voltar a equilibrar mercado.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Khaled al-Faleh, revelou hoje que uma análise técnica mostrou a necessidade de reduzir a produção mundial de petróleo em um milhão de barris por dia para equilibrar o mercado.

“A análise técnica que analisámos ontem [domingo] revela que precisamos de uma redução de cerca de um milhão de barris por dia para equilibrar o mercado”, disse Faleh, que falava numa conferência sobre energia em Abu Dhabi.

O governante adiantou que houve um acumular de ‘stocks’ e que “os 25 países produtores não permitirão que isso continue”.

“Os sinais que enviámos ontem [domingo]” significam que “faremos (….) o que será necessário para equilibrar o mercado”, afirmou Faleh.

No domingo, na abertura da reunião em Abu Dhabi de países membros da OPEP – Organização dos Países Exportadores de Petróleo e não membros do cartel, o governante saudita já tinha anunciado que o seu país vai reduzir a produção de petróleo, o que levará a uma queda nas exportações de 500 mil barris por dia já no próximo mês.

Presos entre o aumento da produção em alguns dos principais países produtores e o medo de queda na procura, os preços do petróleo caíram quase 20% em um mês, depois de um pico no início de outubro, em que atingiu o seu nível mais alto dos últimos quatro anos.

Desde dezembro de 2016, os países da OPEP, liderados pela Arábia Saudita, e outros produtores que não fazem parte do cartel, como a Rússia, têm um acordo de redução da produção de petróleo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
Arábia Saudita defende redução da produção de petróleo