Artbid prepara lançamento de plataforma internacional

Empresa de leilões online viu o negócio crescer 25% em ano de pandemia.

A Artbid é uma plataforma de leilões online portuguesa, nascida em 2014 pela mão de Filipe Aires, ex-CFO do Palácio do Correio Velho, e o empreendedor Pedro Monteiro. A empresa especializada em antiguidades, arte e vinhos, prepara-se agora para se lançar a nível internacional. "A plataforma internacional, que estamos a desenvolver e a finalizar, permite aos clientes nos diferentes países colocar as suas peças em venda nos nossos leilões, sem que tenham de vir para Portugal, permitindo assim a venda e compra dos lotes da respetiva cultura utilizando uma plataforma portuguesa", dizem os fundadores da Artbid.

A estratégia de internacionalização implica "um esforço enorme de divulgação, no marketing internacional, da nova plataforma, para que assim os potenciais clientes desses países se tornem vendedores e compradores do nosso novo marketplace", avançam Filipe Aires e Pedro Monteiro.

Para os responsáveis da Artbid, "esta é a única forma de aumentar claramente as vendas da empresa no exterior, contabilizadas como exportações, aumentando o radar de abrangência e influência fora de Portugal, captando novos vendedores e compradores, alguns deles com poder de compra maior do que a média portuguesa".

A pandemia que apanhou o mundo de surpresa este ano não afetou o negócio. "Estamos com um crescimento de 25% face ao período homólogo. Quando o confinamento começou sentimos um abrandamento nas vendas. Contudo, como empresa online que somos, rapidamente verificámos que os compradores retomaram as suas licitações e os vendedores recorreram aos nossos serviços para venderem as suas peças e, em paralelo, novos clientes licitadores chegaram ao mercado online, o que fez subir as vendas", garantem.

Quanto aos próximos meses, Filipe Aires e Pedro Monteiro estimam "que 2021 possa ter um comportamento semelhante a 2020 ou até um ligeiro crescimento". É que, explicam, "o mercado de venda de arte e antiguidades não é sazonal e, mesmo em momentos de crise, tem atividade. Em momentos menos favoráveis pode existir menor apetência para a compra mas, em contrapartida, há sempre maior oferta de produtos para vender. Assim, poderá verificar-se uma redução do valor médio de venda das peças, mas um incremento na quantidade de peças vendidas".

A plataforma realiza "sete a oito leilões diários e tem mais de 400 lotes em venda", entre eles uma guitarra assinada por Mick Jagger (na fotografia). A empresa diz que vende uma média de 1500 lotes por mês. E como garantem a autenticidade das peças? "Há todo um processo de investigação realizado às peças a par de informações que nos são prestadas por quem vende. O conjunto dessa informação é verificado até chegarmos a uma opinião que seja credível. Por outro lado, a experiência dos nossos peritos concorre para a catalogação de uma determinada peça como original e legítima".

Os compradores são particulares, empresas, colecionadores e investidores. E os vendedores são maioritariamente particulares.

E o que é preciso para que uma peça entre na plataforma? "Fundamentalmente que se reconheça o seu valor como interessante para o mercado ter vontade de a comprar. Isso passa-se com peças de cinco e ou de 50 mil euros. Naturalmente que há peças com maior grau de raridade e valor, que se tornam muito mais interessantes para os colecionadores e investidores. Essas, normalmente, suscitam maior disputa e, por isso, resultam em vendas com resultados interessantes", dizem.

Na Artbid já foram vendidas peças "de várias dezenas de milhares de euros".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de