Tecnologia

Regras para usar o Facebook são agora mais fáceis de perceber

The Facebook profile of founder Mark Zuckerberg on a mobile phone is seen in this photo illustration taken in Lavigny

Com uma única atualização, a rede social tenta resolver duas questões: acalmar o coro de críticas de que tem sido alvo e ajustar-se ao RGPD.

O Facebook fez uma grande alteração aos seus termos de serviço, isto é, às regras que definem a utilização da rede social. A empresa simplificou a linguagem dos termos para que os utilizadores possam perceber de forma clara quais os direitos que o Facebook tem sobre os seus dados. A alteração é feita poucas semanas depois de ter rebentado o escândalo de privacidade que afetou 50 milhões de utilizadores.

“Para o Facebook é importante mostrar claramente aos utilizadores como funcionam os seus produtos, uma vez que só assim poderão tomar decisões informadas sobre a sua privacidade”, explica em comunicado a tecnológica a propósito desta mudança.

A gigante norte-americana reforça a ideia de que esta simplificação dos termos não esconde qualquer nova regra. “O Facebook não está a pedir novos direitos de recolha, utilização e partilha e dados aos utilizadores, nem a alterar nenhuma das opções de privacidade feitas por estes até à data”, lê-se na nota de imprensa.

Ao comparar os antigos termos com os novos termos, percebe-se rapidamente que não só o Facebook tornou a linguagem muito mais acessível e fácil de ler, como também apostou numa reformulação visual que divide melhor os termos de serviço, a política de tratamento de dados da empresa e outras cláusulas que existem.

Apesar de surgir pouco tempo depois do caso da Cambridge Analytica, a alteração dos termos também surge como uma antecipação à entrada em vigor da nova Regulação Geral de Proteção de Dados da União Europeia (RGPD). Um dos pontos do RGPD prevê justamente a simplificação dos termos de utilização dos serviços, informações que muitas vezes são ignoradas pelos utilizadores devido à sua extensão e complexidade.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EDP_ENGIE2

EDP e Engie vão investir até 50 mil milhões para liderarem eólicas no mar

EDP_ENGIE2

EDP e Engie vão investir até 50 mil milhões para liderarem eólicas no mar

Da esquerda para a direita: Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado das Finanças, Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

OCDE. Dinamismo das exportações nacionais tem o pior registo da década

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Regras para usar o Facebook são agora mais fáceis de perceber