Bolsa de Lisboa

As tecnológicas portuguesas que podem ir para a bolsa

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens
Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Seis empresas nacionais participam no programa de formação em mercados de capitais para tecnológicas da Euronext.

São seis as tecnológicas portuguesas escolhidas para a edição 2017--2018 do programa TechShare da Euronext. Os gestores das empresas escolhidas vão receber, durante um ano, formação, que inclui workshops e sessões individuais. O objetivo é que possam decidir melhor o próximo passo no seu percurso de crescimento. E de preferência que acabem por escolher estrear-se em bolsa, num dos mercados da Euronext. “Esperemos que sim”, afirmou Filipa Franco, head of listing (diretora de entradas em bolsa) da Euronext.

Só um grupo restrito de empresas é selecionado para este programa, que vai na sua terceira edição. Neste ano começou no passado dia 28, quinta-feira, com formação intensiva, no HEC Paris Business School. As portuguesas escolhidas foram a Coimbra Genomics, a ComparaJá, a Mindera, a Omniflow, a PETsys Electronics e uma sexta empresa que preferiu ficar no anonimato.

São seis num grupo de 68 tecnológicas europeias que empregam no total 6500 funcionários e têm um volume de negócios global de 500 milhões de euros. Os seus produtos e soluções são muito diversos e vão desde plataformas eletrónicas de bilhetes a aplicações para o setor de media, que envolvem reconhecimento em vídeos de itens e a criação automática de metadados.

Quem dá a formação aos gestores são os 48 parceiros da Euronext, que incluem bancos, sociedades de advogados e consultores de comunicação. No caso de Portugal, são quatro os parceiros desta edição do TechShare: BPI, JLM & A, KPMG e Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados.

Desde o lançamento do programa de formação de gestores da área de tecnologia, duas empresas concluíram a sua estreia na bolsa em mercados da Euronext: a Osmozis, um operador de redes de comunicações sem fios (wi-fi), e a Balyo, especializada robotização.
“As empresas que decidem entrar em bolsa, também têm depois um acompanhamento”, explicou Pedro Wilton, diretor da Euronext Lisbon.

Além do mercado principal, regulamentado, a Euronext tem outros mercados mais aptos a receber empresas de menor dimensão. É o caso do Euronext Growth, onde estão cotadas as portuguesas ISA, Nexponor e Patris. E o Euronext Acess, para as empresas mais pequenas que querem dar um primeiro passo para se financiarem através da entrada em bolsa.

Este programa faz parte de um conjunto de iniciativas da Euronext para atrair empresas para o mercado de capitais.

No caso de Portugal, a captação de empresas para a bolsa não é fácil e o facto é que o mercado português tem ficado cada vez mais deserto. É o resultado de uma crise financeira e de dívida soberana, o colapso do BES e o retalho e venda da Portugal Telecom, entre outros fatores que afugentaram empresas e investidores. Mais recentemente, foi conhecida a saída do Montepio e da Cimpor.

331 PME na Euronext

No global de mercados geridos pela Euronext, estão cotadas 331 pequenas e médias empresas das áreas de tecnologias, media, telecomunicações, energias limpas e saúde e biotecnologia. Estas empresas têm um valor agregado de mercado de cerca de 50 mil milhões de euros e registam a presença ativa de 733 investidores institucionais.
Desde janeiro de 2016, 26 tecnológicas estrearam-se em bolsas da Euronext, captando um financiamento global de 1,7 mil milhões de euros. Em termos de índices, destaque para o Tech40 Label, que inclui três empresas portuguesas: a Impresa, a Media Capital e a Novabase.


 

As promessas nacionais aos olhos da Euronext

Coimbra Genomics
Saúde

A empresa fundada em 2009 desenvolve ferramentas que fazem a ponte entre o conhecimento de genómica e a prática de medicina. O objetivo é levar para o computador de cada médico soluções para que mais facilmente possa tomar decisões importantes adaptadas a cada paciente, dependendo da genética de cada um individualmente.

Omniflow
Energia

A empresa portuenses foi fundada em 2011 e desenvolveu uma plataforma de energia autónoma com energia eólica e solar. Com pouco impacto visual, a solução da empresa permite transformar as luminárias das cidades numa rede neural capaz até de produzir energia para a rede e ser utilizada para vários tipos de usos e como uma infraestrutura. Depois de ter sido a única das quatro finalistas portuguesas a ser integrada no Top 100 Europe 2017 Winners, a lista anual da plataforma de tecnologia Red Herring que distingue as cem startups europeias mais promissoras, a Omniflow espera neste ano um “crescimento significativo”, de um volume de vendas de 320 mil euros em 2016 para 1,5 milhões em 2017.

Comparajá
Fintech

A empresa fundada em 2015 em Lisboa é um site que faz comparação de preços, especializado no setor de serviços financeiros. A principal atividade é a distribuição de produtos financeiros. O ComparaJá.pt é uma plataforma online gratuita e independente que desenvolve diariamente conteúdos informativos com livre acesso através do seu blogue.

Mindera
Software

Fundada em 2014 na região do Porto e emprega mais de 190 colaboradores. A empresa desenvolve software e soluções próprias que fornece aos clientes. É uma companhia internacional e está localizada no Porto, em Leicester, São Diego, São Francisco e Chennai. Brevemente irá estar também presente em Berlim.

PETsys Electronics

Eletrónica

Fundada em 2013, a empresa com sede em Oeiras desenvolveu uma tecnologia que permite melhorar de forma significativa a deteção antecipada de cancro. Esta é uma das principais aplicações dos scanners PET/SPECT que foram desenvolvidos pela companhia.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

As tecnológicas portuguesas que podem ir para a bolsa