Telecomunicações

Assembleia geral da Pharol foi suspensa

Luís Palha da Silva, presidente do Conselho de Administração da Pharol
Luís Palha da Silva, presidente do Conselho de Administração da Pharol

A Assembleia geral da Pharol está suspensa, devendo os trabalhos serem retomados no próximo mês.

A Assembleia-geral da Pharol foi suspensa e adiada para dia 8 de fevereiro. Em cima da mesa da reunião magna da companhia liderada por Luís Palha da Silva estava a renovação do mandato da administração da empresa, bem como a nomeação de um novo administrador em representação da brasileira Oi, elevando para 11 o número de administradores da companhia.

A suspensão foi proposta pelo Novo Banco, sabe o Dinheiro Vivo.

A Pharol fechou recentemente um acordo com a Oi, para a retirada dos processos judiciais, com a companhia a comprometer-se em participar no aumento de capital da operadora brasileira na qual é um dos acionistas de referência. O acordo tem ainda de obter luz verde da Tribunal da 7ª Vara do Rio de Janeiro, que tem em mãos o processo de recuperação judicial da Oi. O juiz tem 45 dias para homologar o acordo. Uma das condições do acordo passa também pela aprovação do administrador proposto pela Oi para o conselho de administração da Pharol.

Foi este acordo que motivou a proposta do Novo Banco para a suspensão da reunião magna de acionistas. Face à existência de um acordo entre a Pharol e Oi, o Novo Banco pretende que os acionistas reflitam sobre o ponto em agenda relativo à nomeação do administrador proposto pela Oi, sabe o Dinheiro Vivo.

O único ponto em agenda na assembleia geral extraordinária de acionistas desta sexta-feira já tinha transitado da reunião magna de 23 de novembro do ano passado, onde a companhia obteve autorização dos acionistas para um eventual reforço do capital social da Pharol, dando-lhe capacidade para participar no aumento capital da Oi previsto no plano de recuperação judicial da operadora brasileira.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
lampadas

Descida do IVA da eletricidade ainda não chega em abril

Mário Centeno, ministro das Finanças, e Fernando Medina, presidente da CML. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Recuperação de apoio ao BPP ajuda a aguentar problemas da Câmara de Lisboa

António Ramalho, presidente do Novo Banco. (MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

António Ramalho insiste que “todas as auditorias são bem-vindas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Assembleia geral da Pharol foi suspensa