aviação

Assembleia-geral da Ryanair aprova duas saídas do Conselho de Administração

Fotografia: Gleb Garanich/ Reuters.
Fotografia: Gleb Garanich/ Reuters.

A assembleia-geral da Ryanair aprovou dois pedidos de saída do Conselho de Administração da transportadora.

A assembleia-geral da Ryanair aprovou, esta quinta-feira, dois pedidos de saída do Conselho de Administração da transportadora, segundo informação sobre a reunião anual, onde foram validadas as contas de 2018, que registaram aumento de lucro em 10%.

No comunicado divulgado pela companhia irlandesa de baixo custo é referida a decisão de Charlie McCreevy e Declan McKeon de saírem do Conselho, que tinha sido registada no relatório anual da empresa.

“O presidente do Conselho de Administração, David Bonderman, agradeceu sinceramente a ambos, Charlie e Declan, pelas suas substanciais contribuições ao longo dos últimos oito anos e deu as boas vindas a Emer Daly e Roisin Brennan, novos membros do Conselho”, lê-se no documento.

No relatório anual da Ryanair, o presidente do Conselho de Administração comentava que “apesar das condições comerciais difíceis”, a companhia apresentou um “desempenho forte”. O responsável destacou o aumento do lucro em 10% para 1,45 mil milhões de euros em 2018, na comparação com 2017. As receitas subiram 8% para 7,15 mil milhões de euros, enquanto os ganhos por ação evoluíram 15%, para 1,22 euros.

Entre os dados positivos que constam da carta de Bonderman aos acionistas está também o aumento do tráfego em 9% para mais de 130 milhões passageiros e a descida média de 3% das tarifas para 39,40 euros.

O ano foi marcado pelo corte nos custos de unidade, pela criação de 1.500 novos postos de trabalho, por mais de 600 promoções e por novos acordos para aumentos de salários com a “maioria dos pilotos e tripulantes de cabine”.

Questionada pela agência Lusa se houve tomada de decisão sobre a ameaça de greve europeia, incluindo de Portugal, dos tripulantes para o próximo dia 28 e as críticas feitas pelos pilotos, a transportadora referiu que, de momento, não serão feitos mais comentários.

Na quarta-feira, os pilotos da Ryanair pediram aos acionistas da companhia que substituam a liderança da empresa, na assembleia geral anual, porque consideram que o atual modelo de emprego e gestão fracassou.

O apelo foi feito numa declaração subscrita pelas estruturas representativas dos pilotos da Ryanair e publicada em toda a Europa.Em Portugal, a declaração foi divulgada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação da Aviação Civil (SPAC), enquanto representante dos pilotos da Ryanair no país.

Para 28 de setembro está convocada a segunda greve europeia na Ryanair, depois de os sindicatos que representam a tripulação de cabine terem promovido entre 25 e 26 de julho uma paralisação em Espanha, Portugal, Itália e Bélgica.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

fotografia: Luís Costa Carvalho

Corticeira Amorim investe oito milhões e inaugura nova fábrica nos EUA

António Mexia lidera a EDP desde 2005

António Mexia, CEO da EDP, ganhou 6.000 euros por dia em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Assembleia-geral da Ryanair aprova duas saídas do Conselho de Administração