Recursos Humanos

Atividade e equilíbrio vida pessoal/trabalho pesam na retenção de trabalhadores

Regresso trabalho
Pixabay.

Quarta edição do Índice de Excelência aponta quais os fatores que mais pesam na retenção de colaboradores nas empresas em Portugal.

Quarta edição do Índice de Excelência aponta quais os fatores que mais pesam na retenção de colaboradores nas empresas em Portugal. Estudo conclui que os fatores de retenção variam consoante a dimensão da empresa.

O estudo feito pela Neves de Almeida HR Consulting contou com a participação de milhares de trabalhadores em Portugal, de vários setores de atividade do tecido empresarial português. As principais conclusões apontam que aquilo que faz com que os trabalhadores se mantenham nas empresas pode variar consoante a dimensão da organização. Quanto maior é a empresa, mais valorizados são critérios como a segurança ou a localização do local de trabalho, por exemplo. Já nas organizações mais pequenas, os trabalhadores valorizam as condições de trabalho e a relação com outros colegas.

Ainda assim, há alguns fatores principais, independentemente da dimensão do local onde trabalham. “No geral, os três fatores de retenção mais salientados pelos colaboradores foram o gosto pelo trabalho desenvolvido (56,1%), o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (32,7%) e a relação com os colegas (30,8%). No inverso, os fatores de retenção menos identificados são a liderança de topo (6,4%), a formação (6,4%) e os benefícios (9,2%)”, avança a Neves de Almeida.

O Índice de Excelência mostra ainda que uma esmagadora percentagem dos colaboradores continua a valorizar a aposta em recompensas (74,6%) e o nível de desenvolvimento das pessoas (47,9%).

“Verificamos a exigência de um maior reconhecimento do trabalho desenvolvido e reflexo ao nível das recompensas dos colaboradores e do desenvolvimento das pessoas. Daí que, de acordo com o estudo, uma priorização das organizações nestes fatores irá ao encontro aos principais fatores de retenção e envolvimento apontados”, indica Gonçalo Salis do Amaral, partner da Neves de Almeida HR Consulting.

O estudo compreende ainda uma área ligada aos desafios da era digital. As empresas em Portugal estão a recorrer a iniciativas que estreitam a proximidade com os colaboradores, endereçando as suas necessidades, e que promovam a inovação, colaboração e a agilidade na forma de trabalhar e nos processos. Gonçalo Salis do Amaral exemplifica que algumas empresas estão a tirar partido de uma “maior utilização de analytics para uma melhor tomada de decisão também na gestão de pessoas, bem como a criação de práticas de trabalho mais colaborativas, entre pessoas, mas também entre estas e a máquina, permitindo um mais fácil e ágil acesso à formação e informação”.

O estudo foi feito em vários setores, desde banca, seguros e serviços financeiros, até consultoria e serviços e tecnologia, media e telecomunicações, construção, indústria e setor público.

As empresas vencedoras do estudo deste ano

O Índice de Excelência elabora ainda um ranking das empresas, em segmentos consoante a sua dimensão: grandes empresas (mais de 251 pessoas), médias empresas (51 a 250 pessoas) e pequenas empresas (entre 11 a 50 pessoas).

Grandes Empresas (mais de 251 colaboradores)

1º Lugar: SERVDEBT GROUP
2º Lugar: LeasePlan
3º Lugar: Agap2 – HIQ Consulting SA
4º Lugar: BOLD by Devoteam
5º Lugar: KCS IT, S.A.
6º Lugar: OCP Portugal, SA
7º Lugar: Moneris SGPS
8º Lugar: INTERPREV – Segurança e Saúde do Trabalho, S.A.
9º Lugar: GRUPO CASAIS
10º Lugar: AdRA – Águas da Região de Aveiro, SA

Médias Empresas (entre 51 e 250 colaboradores)

1º Lugar: EDGE
2º Lugar: BOOST IT
3º Lugar: Bresimar Automação, S.A.
4º Lugars: Samsys – Consultoria e Soluções Informáticas
5º Lugar: CA Seguros – Companhia de Seguros de Ramos Reais, SA
6º Lugar: Savills
7º Lugar: Doutor Finanças Unipessoal, Lda.
8º Lugar: Montepio Crédito, Instituição Financeira de Crédito, S.A.
9º Lugar: GRENKE RENTING, SA
10º Lugar: Quilaban, S.A

Pequenas Empresas (entre 11 e 50 colaboradores)

1º Lugar: Azevedo Brandão e Associados – Sociedade de Advogados, R.L.
2º Lugar: HEXIS TECHNOLOGY HUB
3º Lugar: Lopes Barata & Associados, Soc de Advogados, SP, RL
4º Lugar: MAXFINANCE
5º Lugar: Estoril Sol Digital, Online Gaming Products and Services. S.A.
6º Lugar: SMART VISION
7º Lugar: ZONA VERDE, CEA, Lda
8º Lugar: Stellaxius
9º Lugar: InovaPrime – Serviços em Tecnologias de Informação, Lda.
10º Lugar: Altronix – Sistemas Electrónicos, Lda

Vencedores por setor:

Banca, Seguros e Serviços Financeiros: MAXFINANCE
Construção, Infraestruturas, Transportes e Logística: GRUPO CASAIS
Consultoria e Serviços Profissionais: Azevedo Brandão e Associados – Sociedade de Advogados, R.L.
Hotelaria, Turismo, Desporto e Ensino: Eliseu Correia Travel – Viagens e Turismo Unipessoal Lda
Indústria: Bresimar Automação
Saúde e Farmacêuticas: Quilaban, S.A
Setor Público: Lipor
Tecnologia, Media e Telecomunicações: EDGE

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante a apresentação do Simplex’20-21. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Costa: “Não podemos voltar a repetir o confinamento”

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão. Fotografia: MÁRIO CRUZ/LUSA

Leão admite Orçamento Retificativo no final do ano. Para já não vê necessidade

Fotografia: D.R.

Novo crédito ao consumo afunda 56% em maio

Atividade e equilíbrio vida pessoal/trabalho pesam na retenção de trabalhadores