autoeuropa

Autoeuropa. Horários impostos vão mesmo avançar

Fernando Gonçalves (Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens)
Fernando Gonçalves (Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens)

Comissão de Trabalhadores volta a reunir-se para a semana com a administração da Autoeuropa para discutir salários

A Autoeuropa vai mesmo ter novos horários a partir de dia 29. O cenário foi admitido esta sexta-feira por Fernando Gonçalves, coordenador da Comissão de Trabalhadores da fábrica de Palmela, depois das duas reuniões realizadas esta semana com a administração. Isto significa que a partir do final deste mês os trabalhadores passam a ter de cumprir uma semana de cinco dias, com apenas uma folga fixa ao domingo e uma outra rotativa a meio da semana.

A Comissão de Trabalhadores mantém-se contra esta imposição e recorda que “estes horários deviam ser de adesão voluntária”. No entanto, há muito pouca margem para alterações e as novas reuniões já não vão abordar os horários. Os operários serão unicamente sondados sobre se preferem mudar de turno todas as semanas ou se preferem fazer esta rotação a cada três semanas.

Nas próximas quarta e sexta-feiras os representantes dos trabalhadores voltam a sentar-se com a administração da fábrica e na mesa das negociações estará o caderno reivindicativo onde a CT exige o aumento salarial de 6,5%, num mínimo de 50 euros, e com efeitos retroativos a setembro de 2017.

Depois destas duas reuniões haverá ainda um plenário que antecederá à greve e que está marcado para a semana de 22 a 26 de janeiro – a última antes das novas tabelas horárias.

(em atualizações)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Autoeuropa. Horários impostos vão mesmo avançar