autoeuropa

Autoeuropa: Operários ganham mais 16% com semana de seis dias

Novo horário prevê que a fábrica funcione seis dias por semana, "com três turnos diários, uma folga fixa ao domingo e outra rotativa".

O pré-acordo entre a administração e os operários da Autoeuropa para o novo horário de trabalho prevê um aumento mínimo de 16% no salário. Este é um dos detalhes do documento tornado público esta quinta-feira por fonte oficial da empresa e que será votado na sexta-feira, 28 de julho, na fábrica de Palmela. Se for aprovado, o documento só entrará em vigor em 2018.

“O acordo de princípio prevê um pagamento mensal 175 euros adicional ao previsto na lei, 25% de subsídio de turno e a atribuição de um dia adicional de férias. Estas medidas representam um incremento mínimo de 16% no rendimento mensal dos colaboradores abrangidos por este modelo de trabalho”, refere fonte oficial da fábrica da Volkswagen em Portugal.

O novo horário prevê que a fábrica funcione seis dias por semana, “com três turnos diários, uma folga fixa ao domingo e outra rotativa ao longo da semana”. A Autoeuropa defende que desta forma cada trabalhador terá uma média de horas de trabalho semanas abaixo das 40 horas.

A atribuição de um bónus responde ao pedido da comissão de trabalhadores, que, no início de julho, disse que apenas aceitaria um novo acordo mediante a atribuição de um bónus, conforme o Dinheiro Vivo escreveu na altura.

A Autoeuropa diz ainda que os termas do acordo, “defendem a sustentabilidade da empresa e ao mesmo tempo asseguram a estabilidade dos postos de trabalho dos seus colaboradores”. Em 2018, a fábrica pretende produzir mais de 200 mil carros, praticamente o triplo em comparação com 2016.

Se o acordo for aprovado na sexta-feira, a greve marcada pela comissão de trabalhadores para 30 de agosto deverá ser desconvocada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
Autoeuropa: Operários ganham mais 16% com semana de seis dias