autoeuropa

Autoeuropa: Operários ganham mais 16% com semana de seis dias

Novo horário prevê que a fábrica funcione seis dias por semana, "com três turnos diários, uma folga fixa ao domingo e outra rotativa".

O pré-acordo entre a administração e os operários da Autoeuropa para o novo horário de trabalho prevê um aumento mínimo de 16% no salário. Este é um dos detalhes do documento tornado público esta quinta-feira por fonte oficial da empresa e que será votado na sexta-feira, 28 de julho, na fábrica de Palmela. Se for aprovado, o documento só entrará em vigor em 2018.

“O acordo de princípio prevê um pagamento mensal 175 euros adicional ao previsto na lei, 25% de subsídio de turno e a atribuição de um dia adicional de férias. Estas medidas representam um incremento mínimo de 16% no rendimento mensal dos colaboradores abrangidos por este modelo de trabalho”, refere fonte oficial da fábrica da Volkswagen em Portugal.

O novo horário prevê que a fábrica funcione seis dias por semana, “com três turnos diários, uma folga fixa ao domingo e outra rotativa ao longo da semana”. A Autoeuropa defende que desta forma cada trabalhador terá uma média de horas de trabalho semanas abaixo das 40 horas.

A atribuição de um bónus responde ao pedido da comissão de trabalhadores, que, no início de julho, disse que apenas aceitaria um novo acordo mediante a atribuição de um bónus, conforme o Dinheiro Vivo escreveu na altura.

A Autoeuropa diz ainda que os termas do acordo, “defendem a sustentabilidade da empresa e ao mesmo tempo asseguram a estabilidade dos postos de trabalho dos seus colaboradores”. Em 2018, a fábrica pretende produzir mais de 200 mil carros, praticamente o triplo em comparação com 2016.

Se o acordo for aprovado na sexta-feira, a greve marcada pela comissão de trabalhadores para 30 de agosto deverá ser desconvocada.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ministro da Economia Pedro Siza Vieira, no Roteiro Automóvel, visitou a PSA e conduziu um dos carros fabricados em Mangualde.  (João Silva / Global Imagens )

Governo quer choque elétrico nas fábricas de automóveis

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

despedimentos coletivos

Despedimentos coletivos voltam a subir em 2019 e arrasam no Norte

Autoeuropa: Operários ganham mais 16% com semana de seis dias