autoeuropa

Autoeuropa pode parar a qualquer momento por falta de espaço para os carros

Fotografia: João Girão/Global Imagens
Fotografia: João Girão/Global Imagens

Fábrica de Palmela não tem mais espaço para estacionar os mais de 22 mil veículos que aguardam a exportação para a Alemanha.

A produção na Autoeuropa pode parar a qualquer momento por causa do impasse no Porto de Setúbal. Os 5900 funcionários da fábrica de Palmela estão sob aviso para uma suspensão da montagem de automóveis porque já não há espaço para estacionar os mais de 22 mil veículos que aguardam a exportação para a Alemanha. A informação foi adiantada pela RTP na quarta-feira e foi confirmada pelo Dinheiro Vivo junto de fontes da fábrica esta quinta-feira. A administração da Autoeuropa não comenta o assunto.

O aviso para uma possível paragem foi transmitido aos trabalhadores nas últimas horas. A montagem de carros poderá ser suspensa a qualquer momento, segundo as mesmas fontes.

No último mês, agravaram-se as dificuldades em escoar os 885 carros produzidos diariamente em Palmela. O impasse no porto de Setúbal – com a paragem dos trabalhadores eventuais – faz com que a fábrica de Palmela tenha 20 mil automóveis à espera de serem enviados para a Alemanha.

Além do porto de Setúbal e da Base Aérea do Montijo, já foi necessário recorrer a um terceiro espaço em Setúbal para parquear os carros montados em Palmela e que aguardam o transporte para os portos de Leixões e de Vigo e Santander (Espanha). Só que todas as soluções possíveis já terão sido esgotadas.

Os carros acumulam-se em Portugal porque o ritmo de exportação de carros é mais baixo mesmo com estes três portos do que utilizando Setúbal, por onde os automóveis saíam mais do que uma vez por semana. Além disso, estes carros têm maiores custos porque são transportados por camiões ao longo de várias centenas de quilómetros.

A paragem na produção na Autoeuropa estava prevista para o período entre 22 de dezembro e 4 de janeiro por falta de motores a gasolina, que têm afetado várias unidades do grupo Volkswagen na Europa. Esta situação vai afetar 600 trabalhadores temporários do parque industrial da Autoeuropa, conforme o Dinheiro Vivo escreveu no passado domingo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
Autoeuropa pode parar a qualquer momento por falta de espaço para os carros