autoeuropa

Autoeuropa volta a negociar horários com comissão de trabalhadores

Autoeuropa. (Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens)
Autoeuropa. (Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens)

Decisão foi comunicada após reunião com a administração e evita greve ao trabalho extraordinário na fábrica de Palmela.

A administração da Autoeuropa vai voltar a negociar os novos horários na fábrica de Palmela com a comissão de trabalhadores. A decisão foi comunicada esta quinta-feira após uma reunião com a equipa de gestão, liderada por Miguel Sanches, na sequência de um abaixo-assinado entregue pelos operários. O diálogo deverá ser retomado ainda este mês.

A comissão de trabalhadores, liderada por Fausto Dionísio, assinala que chegou a acordar com os três sindicatos representativos da empresa a “emissão de pré-avisos de greve ao trabalho extraordinário como resposta à falta de vontade negociar por parte da administração”, segundo nota enviada às redações.

A emissão dos pré-avisos de greve “fica para já suspensa” depois da reunião com a administração da Autoeuropa. As negociações serão retomadas “ainda no mês de junho”.

Os representantes dos 5700 operários da fábrica de Palmela assinalam ainda a “unidade dos trabalhadores demonstrada nos últimos plenários realizados, a subscrição massiva ao abaixo-assinado e a disponibilidade para outras formas de luta”.

A administração da empresa já tinha manifestado a sua disponibilidade para voltar a sentar-se com a comissão de trabalhadores. Na terça-feira, fonte oficial da empresa apontava a vontade de “manter sempre o diálogo” com os representantes dos operários da fábrica de Palmela.

Nas últimas semanas, os trabalhadores e a administração da Autoeuropa não conseguiram chegar a acordo para a implementação do novo modelo de horário a partir de agosto por causa da compensação pelo trabalho aos domingos.

Os representantes dos 5700 operários da fábrica assinalam que a imposição de horários da empresa “está a provocar um clima de descontentamento” e que “a administração não pode ficar indiferente a esta demonstração de unidade dos trabalhadores e de exigência de uma nova solução que melhor satisfaça as suas reivindicações.

Os trabalhadores, segundo a proposta da administração, vão ter apenas mais uma folga por mês por trabalharem aos domingos. A folga extra semanal será atribuída a cada quatro semanas, segundo nota interna enviada no final de maio.

No novo modelo laboral, os operários vão ganhar ao domingo o mesmo que nos dias úteis e vão receber 100% de um dia normal de trabalho por mês por cada dois turnos trabalhados ao fim de semana; serão ainda pagos 25% trimestralmente “de acordo com o cumprimento do volume de produção”.

A Autoeuropa vai funcionar com 19 turnos de laboração depois das férias de agosto: três turnos diários de segunda a sexta e dois turnos diários ao sábado e domingo.

Já está acordado com a administração liderada por Miguel Sanches que os trabalhadores terão uma semana de trabalho de cinco dias, com duas folgas consecutivas. Estes dias de descanso serão gozados ao sábado e domingo de duas em duas semanas.

Até às férias existirão dois tipos de turnos: o turno da noite funciona de segunda a sexta-feira, com as folgas fixas ao sábado e domingo; o turno da manhã e da tarde, de segunda-feira a sábado, mas com uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa. Em cada dois meses garantem-se quatro fins de semana completos e mais um período de dois dias consecutivos de folga. Este horário funciona desde 29 de janeiro e também foi imposto pela gestão.

(Notícia atualizada às 14h52 pela última vez)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Autoeuropa volta a negociar horários com comissão de trabalhadores