Espanha

Banca vai emprestar 106 milhões de euros à Abengoa para pagar salários

Os bancos credores do grupo espanhol preveem assinar esta tarde um crédito de 106 milhões de euros.

As instituições financeiras credoras do grupo espanhol Abengoa, denominado G7 (Santander, Bankia, Popular, CaixaBank, Sabadell, HSBC e Société Générale), prevêm assinar esta tarde um crédito de 106 milhões de euros.

Segundo fontes citadas pela EFE, O Instituto de Crédito Oficial (ICO) participará com 8,7 milhões de euros nesta operação, enquanto os bancos cobrirão o resto à proporção da sua exposição ao grupo Abengoa.

O novo crédito à Abengoa será de 106 milhões de euros e a garantia são as ações da Abengoa Yield por 2,5 vezes o valor do empréstimo.

A injeção de liquidez, até 113 milhões, completa-se com mais sete milhões libertados por um crédito concedido em setembro.

A empresa precisa deste dinheiro para pagar salários e a fornecedores mais urgentes neste mês.

Para o período dos próximos três meses, a empresa espanhola necessita de uma liquidez de 400 milhões de euros, sendo que o desbloqueio de liquidez foi o primeiro obstáculo ao processo de reestruturação da Abengoa, especializada em energia renovável.

Depois destes três meses vai abrir uma segunda fase de negociações com o objetivo de elaborar um plano de resgate, que inclui fortes desinvestimentos e cortes na despesa de forma a evitar o que seria a maior falência da história da Espanha.

A Abengoa apresentou em novembro uma proteção de credores, afetada por elevado endividamento, totalizando mais de 9.000 milhões de euros de dívida e quase 5.000 milhões de euros em pagamentos a fornecedores pendentes.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Mário Centeno

Centeno volta a cativar mais dinheiro

Natalidade. Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens

Despesa com apoios à família é a quinta mais baixa da UE

Greve dos estivadores do Porto de Setúbal.

Estivadores de Setúbal anunciam greves parciais mas poupam Autoeuropa

Banca vai emprestar 106 milhões de euros à Abengoa para pagar salários