retalho

Banco Mundial financia com 84 milhões lojas colombianas da Jerónimo Martins

(Ivo Pereira/Global Imagens)
(Ivo Pereira/Global Imagens)

Organismo justificou decisão com o facto de os consumidores daquele país "procuraram cada vez mais acesso a comida de qualidade e de preço acessível".

A International Finance Corporation (IFC), que pertence ao grupo Banco Mundial, aprovou um empréstimo de 93 milhões de dólares (84 milhões de euros à cotação atual) à cadeia de lojas colombiana Ara, detida pela Jerónimo Martins.

Num comunicado, o organismo internacional justificou a sua decisão com o facto de os consumidores daquele país americano “procuraram cada vez mais acesso a comida de qualidade e de preço acessível”.

O financiamento irá ajudar a que a Ara expanda a sua rede de lojas de preços baixos a toda a Colômbia, um processo que a IFC acredita que pode “criar empregos, impulsionar cadeias de fornecimento locais e possibilitar que os consumidores tenham um local para comprar comida de qualidade que seja eficiente em termos de preços”, lê-se na mesma nota.

O organismo recorda que a Ara conta, atualmente, com 578 lojas em todo o território colombiano.

“O financiamento da IFC irá apoiar a empresa na abertura de novas lojas e armazéns na costa das Caraíbas, na região produtora de café, assim como em Bogotá e na parte oeste do país, respetivamente. Com esta expansão espera-se que sejam criadas novas oportunidades de trabalho para as comunidades locais e para as mulheres”, lê-se na mesma nota.

De acordo com a IFC, a Ara compra a maioria dos seus produtos de insígnia própria a fornecedores locais, que são, sobretudo, Pequenas e Médias Empresas (PME), sendo que este setor irá beneficiar também com o financiamento aprovado, acredita o grupo.

“A Ara tem ainda como objetivo o aumento da quota de produtos locais que oferece e irá investir em programas de formação para ajudar os fornecedores locais a atingir os padrões de alta qualidade que exige”, segundo o comunicado.

Na mesma nota, o diretor da IFC para aquela região, Gabriel Goldschmidt, realçou que “os esforços da Ara para levar a cabo parcerias com as PME locais terá um impacto positivo no desenvolvimento do setor rural em muitas regiões do país”.

A Jerónimo Martins entrou no mercado colombiano em 2013 com a abertura das primeiras lojas Ara.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Banco Mundial financia com 84 milhões lojas colombianas da Jerónimo Martins