fusão

Banco Popular. Obrigacionistas pronunciam-se sobre fusão em agosto

Os efeitos contabilísticos e fiscais da fusão, se esta for aprovada, serão retroativos a dia 01 de janeiro de 2016.

Os obrigacionistas do Banco Popular Portugal reúnem-se a 18 de agosto em Lisboa para dizer se aceitam ou não a fusão entre o Banco Popular Portugal e a Popular Factoring.

A convocatória desta reunião foi hoje comunicada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), referindo ainda que caso a assembleia de obrigacionistas não aprove a operação terá de eleger um representante comum dos credores para se opor à fusão no prazo legal.

Em julho, foi registado o projeto de fusão entre o Banco Popular Portugal e a Popular Factoring, sociedade cujo capital social é integralmente detido pelo Banco Popular Portugal, estando a operação ainda sujeita à aprovação do Banco de Portugal.

Caso a operação vá avante, segundo o comunicado feito então pelo banco, serão transferidos para o Banco Popular Portugal todos os contratos, direitos e obrigações que vinculam a Popular Factoring perante terceiros, incluindo os que dizem respeito a clientes, credores e também a trabalhadores.

Assim, todos os funcionários da Popular Factoring serão integrados no Banco Popular Portugal, “sem perdas de quaisquer direitos adquiridos por estes últimos, nos termos das disposições legais aplicáveis”, lê-se no documento divulgado em julho.

Serão transferidos para o Banco Popular Portugal todos os contratos, direitos e obrigações que vinculam a Popular Factoring perante terceiros

Os efeitos contabilísticos e fiscais da fusão, se esta for aprovada, serão retroativos a dia 01 de janeiro de 2016.

O Grupo Banco Popular justificou a fusão pelo “processo de restruturação e redimensionamento da atividade” do grupo que está em curso e assenta “na simplificação e racionalização da respetiva estrutura societária e operacional”.

A assembleia de obrigacionistas, relativa aos detentores das obrigações Hipotecárias Popular Setembro 2018, está marcada para a sede do Banco Popular em Lisboa, a 18 de agosto, pelas 16:00 (hora de Lisboa).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

Jerónimo Martins é dona do Pingo Doce

Lojas Pingo Doce “que estavam perto da Mercadona cresceram”

Hebe

Jerónimo Martins expande marca Hebe para Eslováquia e República Checa

Banco Popular. Obrigacionistas pronunciam-se sobre fusão em agosto