BCE mantém tudo: bazucas e taxas de juro

Poder de fogo do programa pandémico de compra de ativos quase que duplicou em junho, para um total de 1350 mil milhões de euros, e assim ficará

As taxas de juro da zona euro vão permanecer em mínimos históricos e os programas que estão a despejar dinheiro ultrabarato (a custo praticamente 0%, as chamadas bazucas) no sistema bancário e que permitem comprar quantidades enormes de dívida pública, por exemplo, ficam iguais, decidiu o Banco Central Europeu (BCE), esta quinta-feira.

Recorde-se que, no início de junho, o BCE quase que duplicou a sua bazuca especial de combate aos efeitos da pandemia.

A dotação do chamado programa de compra de ativos devido a emergência pandémica (pandemic emergency purchase programme – PEPP) foi aumentada em 600 mil milhões de euros, passando para um total de 1350 mil milhões de euros.

O BCE acredita que "a expansão do PEPP reduzirá ainda mais a restritividade da orientação geral da política monetária, apoiando as condições de financiamento na economia real, especialmente para as empresas e as famílias".

No início de junho o horizonte do programa foi estendido por mais seis meses face ao inicialmente anunciado (a 18 de março). E isso mantém-se igual depois da reunião desta quinta-feira.

Assim, estas compras, que podem ser de dívida pública (aquisições feitas aos bancos comerciais da zona euro), podem ir "no mínimo até ao final de junho de 2021", reitera o BCE.

Além disso, os pagamentos de capital dos títulos que foram chegando à maturidade adquiridos no contexto do PEPP "serão reinvestidos, pelo menos, até ao final de 2022". Ou seja, o BCE ficará com esta dívida pública ou outros ativos no balanço durante vários anos.

A primeira e a maior bazuca, o chamado programa APP, que também serve para comprar pilhas enormes de dívida pública aos bancos, também continua nos moldes atuais.

"As aquisições líquidas no contexto do programa de compra de ativos (asset purchase programme – APP) prosseguirão a um ritmo mensal de 20 mil milhões de euros, a par das aquisições ao abrigo da dotação temporária adicional de 120 mil milhões de euros até ao final do ano." Este último está especialmente vocacionado para a compra de ativos do setor privado.

Estes dois programas são para manter “enquanto forem necessários”, reiterou o BCE.

Quanto às taxas de juro de referência ficam na mesma, em mínimos históricos. A taxa aplicável às operações principais de refinanciamento, as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez e taxa de depósito permanecerão inalteradas em 0%, 0,25% e -0,5%, respetivamente.

O BCE espera que estas taxas de juro diretoras se mantenham nos níveis atuais ou inferiores até que as perspetivas de inflação comecem a “convergir de forma robusta” para valores próximos, mas abaixo de 2%.

E como sempre, o Banco sedeado em Frankfurt diz que "continua a estar preparado para ajustar todos os seus instrumentos, consoante apropriado, a fim de garantir que a inflação evolui de forma sustentada no sentido do seu objetivo".

(atualizado 13h50)

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de