BCP avança com plano de redução de pessoal a partir de 16 de junho

BCP recorda em carta aos trabalhadores que este ajustamento estava previsto para 2020, mas que, devido à pandemia, a instituição resolveu não avançar com o plano.

O BCP vai dar início, a partir de 16 de junho, a um plano de redução de pessoal que deverá começar pela adesão a medidas voluntárias, mas que poderá recorrer a "medidas unilaterais", segundo uma mensagem interna.

Na missiva, a que a Lusa teve acesso e que é assinada pelo presidente executivo do banco, Miguel Maya, o BCP recordou aos colaboradores que este ajustamento estava previsto para 2020, mas que, devido à pandemia, a instituição resolveu não avançar com o plano.

"O processo inicia-se com este apontamento que dirijo a todos os trabalhadores, e prosseguirá agora com as reuniões com os sindicatos, com a Comissão de Trabalhadores e com a DGERT [Direcção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho], as quais podem levar a alguns ajustes na forma como planeámos a execução", adiantou Miguel Maya.

"Perspetivamos que o período de adesão ao programa de reformas e rescisões por mútuo acordo se inicie no próximo dia 16 de junho e decorra até 18 de agosto", lê-se na mensagem, que ressalva depois que, "na eventualidade de ser necessário para alcançar a redução em função dos critérios específicos", poderão ser implementadas "medidas unilaterais de redução do número de trabalhadores".

O BCP estima que o final do período negocial seja em 20 de setembro, refere o presidente da instituição.

"Não salientamos ainda as condições e o número concreto de pessoas a abranger, pois entendemos que tal só deverá ser conhecido após as reuniões a realizar com as estruturas representativas dos trabalhadores, as quais perspetivamos possam ocorrer até 16 de junho", explica.

"No final de 2019, o plano estratégico estava a ser implementado com assinalável sucesso na quase totalidade das variáveis definidas e a evolução permitia antever que o plano seria executado com um avanço entre seis e doze meses face à data prevista, com a relevante exceção da reduzida rendibilidade", lê-se na nota.

"No primeiro trimestre de 2020 fomos surpreendidos pela pandemia, uma crise sanitária que rapidamente se transformou em crise económica, a qual não obstante os efeitos terem sido mitigados pelas moratórias dos bancos e pelas medidas governamentais de apoio, teve impactos devastadores para muitas famílias e empresas", tendo sido "por essa razão então decidido que não era adequado empreender nesse ano o processo de redução de trabalhadores que estava a ser equacionado", adianta.

Segundo Miguel Maya, "um processo estruturado de redução de pessoas constitui para a equipa de administradores executivos" a "decisão mais difícil, mais pesada de tomar desde que assumimos funções".

"Temos consciência do relevante impacto nas famílias de pessoas que ao longo de anos deram muito de si ao BCP. Mas temos também bem presente de que se não atuarmos agora -- é sempre possível e há sempre motivos fáceis de identificar para procrastinar decisões -- estaremos a facilitar a nossa vida no imediato e a comprometer de forma relevante o futuro do banco e dos seus trabalhadores", indica.

"Saliento também que a decisão que tomámos de avançar com este processo não resulta de uma mera comparação com o quadro de pessoal dos principais concorrentes a operar em Portugal", acrescenta, referindo que, dessa comparação, "se constata que o BCP no final do primeiro trimestre deste ano apresentava cerca de 15% mais trabalhadores do que um dos grandes bancos de referência (o qual iniciou recentemente um programa de redução de trabalhadores), e, relativamente a outro dos três maiores bancos a operar em Portugal, apresentava cerca de 7% mais trabalhadores".

O gestor realça que "a decisão foi tomada tendo por base uma análise minuciosa das necessidades e da capacidade existente, ponderando adequadamente as especificidades do banco e o impacto das novas tecnologias nos nossos modelos e processos de negócio, bem como a evolução que perspetivamos para o BCP, a qual será apresentada ao mercado no âmbito da revisão do plano estratégico".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de