banca

BCP sobe lucro para 186,4 milhões de euros

Nuno Amado, CEO do Millennium bcp. REUTERS/Rafael Marchante
Nuno Amado, CEO do Millennium bcp. REUTERS/Rafael Marchante

Banco destaca evolução mais favorável em Portugal que contribuiu com 39 milhões de euros.

O BCP aumentou o lucro para 186,4 milhões de euros em 2017. No ano anterior tinha tido um resultado de 23,9 milhões de euros. Na apresentação dos resultados, esta quarta-feira, Nuno Amado destacou a evolução da atividade em Portugal como um contributo para os melhores resultados. No mercado doméstico o lucro do BCP foi de 39 milhões de euros. Já a atividade internacional teve um contributo estável.

O banco destacou a redução da exposição a ativos problemáticos (NPE). Em Portugal reduziram-se em 1,8 mil milhões de euros para 6,8 mil milhões. O objetivo com que o banco se tinha comprometido era baixar essa exposição para 7,5 mil milhões de euros.

Os custos com provisões e imparidades baixaram de 1,6 mil milhões de euros para 925 milhões de euros. Apesar da redução, Nuno Amado destacou que estão ainda a “um nível muito elevado”. O presidente do BCP destacou ainda, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados, a recuperação na atividade de concessão de crédito.“Já atingimos em 2017 a redução de exposições problemáticas que iríamos fazer em 2018. Antecipamos esse processo de uma forma clara”, defendeu Nuno Amado.

Apesar de o crédito a clientes ter descido de 51,6 mil milhões de euros para cerca de 51 mil milhões de euros, existiu um “crescimento da carteira de crédito performing em Portugal em 2017, o que já não ocorria há 8 anos”, refere o banco na apresentação dos resultados anuais.

Em relação às comissões, em termos consolidados subiram 3,6% face aos 643,8 milhões de euros. Mas Nuno Amado ressalvou que em Portugal ficaram estáveis. O presidente do BCP não descarta “ajustamentos pontuais. É possível mas não está pensado”, disse. Referiu que em 2018 poderá existir uma maior receita com comissões,não nas comissões unitárias, mas em mais negócio e mais clientes”.

Dos objetivos definidos pelo banco para serem atingidos em 2018, Nuno Amado considera que “estamos alinhados ou melhor em praticamente todos”. A exceção é no retorno dos capitais próprios, que foi de 4,4% em 2017 e a meta para 2018 é de cerca de 10%.

Atualizada às 19:13 com mais informação e declarações de Nuno Amado

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

(João Silva/ Global Imagens)

Há quase mais 50 mil imóveis de luxo a pagar AIMI

Negociações para revisão do contrato coletivo de trabalho da construção arrancam em setembro

Salário base da construção pode subir até 194 euros

Outros conteúdos GMG
BCP sobe lucro para 186,4 milhões de euros