aviação

Beijing Capital Airlines vai ligar Lisboa à China três vezes por semana

pequim china

O voo Lisboa-Xi'an- Pequim, operado pela Beijing Capital Airlines, arranca a 30 de agosto e vai ter três frequências semanais.

A rota Lisboa-Xi’an-Pequim, da companhia aérea chinesa Beijing Capital Airlines, vai começar a 30 de agosto e vai ter três frequências semanais: todas as quartas-feiras, sextas-feiras e domingos. Num ano em que se celebra o 40º aniversário do estabelecimento oficial de relações diplomáticas entre Portugal e a China, a abertura desta rota vai permitir nomeadamente aumentar os fluxos de turistas entre os dois países.

A cerimónia de inauguração e promoção da rota Lisboa-Xi’an-Pequim contou com a presença do embaixador da China em Lisboa, bem como com elementos da província de Shaanxi e da própria companhia aérea. O embaixador Cai Run salientou que esta ligação aérea vai abrir um canal para o desenvolvimento de relações bilaterais entre as duas economias em várias áreas, bem como a cooperação.

O presidente do Turismo de Portugal, presente no evento, recordou os números relativos à vinda de turistas chineses para Portugal e não esconde que a abertura desta rota ajuda a aumentar a competitividade do destino Portugal. “Em 2018, Portugal recebeu mais de 315 mil turistas chineses, com um crescimento médio anual de 25% nos últimos três anos. Nos primeiros cinco meses deste ano, a China é o segundo país com o maior crescimento [de turistas] para Portugal. O constante trabalho de colaboração dos nossos principais parceiros do trade é crucial para o aumento da notoriedade de Portugal. A existência de boas ligações aéreas no nosso país é fundamental. Estas ligações aéreas aumentam a nossa competitividade e o seu sucesso assenta no desenvolvimento de fluxos em ambos os sentidos”, disse.

Luís Araújo notou ainda que o Turismo de Portugal tem feito “uma forte aposta no mercado e lançámos este ano uma campanha digital na China” para promover Portugal.

O secretário de Estado da Internacionalização sublinhou, por sua vez, que as autoridades nacionais têm feito um “esforço para o aumento do grau de abertura da economia portuguesa e não há aumento do grau de abertura da economia portuguesa sem aumentar os turistas a visitar Portugal e mais portugueses a terem a oportunidade de visitar outro país”.

“Esse esforço fez com que, pela primeira vez, no fim do primeiro trimestre, o grau de abertura da economia portuguesa tenha sido superior a 100%. É o resultado de uma estratégia multissetorial onde é inegável o turismo, que tem tido um papel central”, assinalou Eurico Brilhante Dias.

O governante notou igualmente que “no caso particular da República Popular da China, o governo português tem, com os nossos amigos chineses, feito um esforço de aprofundamento da cooperação. Com as visitas de Estado do presidente da República Popular da China, com a visita de Estado do Presidente da República de Portugal e com a visita realizada pelo primeiro-ministro em 2016, foram dados passos ao mais alto nível para poder continuar a aprofundar” o trabalho que tem sido desenvolvido em conjunto para um maior cooperação.

“Portugal e a China têm hoje um acordo de parceira estratégia. Esse acordo coloca Portugal num relacionamento com a República Popular da China ao nível de conjunto pequeno de países do mundo. Mas é também o reconhecimento da natureza, da estabilidade, e do interesse do relacionamento de Portugal com a China”

Eurico Brilhante Dias acrescentou que, o acordo em torno da iniciativa “Uma faixa, Uma rota” nunca ficaria completo se apenas houvesse uma rota terrestre e marítima. “No acordo celebrado entre os dois governos ficou expresso que a rota aérea era muito importante. Esse esforço diplomático dos dois governos tem hoje aqui a sua tradução” aludindo à cerimónia de inauguração da rota Lisboa-Xi’an-Pequim.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pardal Henriques, do SNMMP. 
(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

Sem acordo “por 50 euros”, diz sindicato. “Querem impor aumento”, acusam patrões

O advogado e porta-voz do sindicato nacional dos motoristas, Pardal Henriques. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Pardal Henriques foi a personalidade mais mediática da greve

Outros conteúdos GMG
Beijing Capital Airlines vai ligar Lisboa à China três vezes por semana