Automóvel

BMW antevê lucros em “ponto morto” por causa dos carros elétricos

Fotografia: REUTERS/Michael Dalder
Fotografia: REUTERS/Michael Dalder

Até 2025, a BMW espera lançar 12 novos modelos totalmente movidos através de eletricidade e 12 novos carros híbridos.

Os lucros da BMW poderão entrar em “ponto morto” em 2018. A culpa é dos elevados investimentos em modelos, que deverão ser totalmente elétricos. A empresa alemã antecipou esta quarta-feira que espera alcançar este ano um lucro bruto superior a 10.600 milhões de euros, montante semelhante ao atingido em 2017 e que representou um aumento de 10% face ao ano anterior.

O presidente da BMW, Harald Krüger, afirmou numa conferência de imprensa, em Frankfurt, que o grupo pretende alcançar “um novo recorde consecutivo”, graças sobretudo ao impulso dos novos modelos utilitários desportivos.

A marca de Munique espera voltar à liderança do segmento premium (superior) em 2020. Esta posição é ocupada atualmente pela Mercedes. E até 2025 espera lançar 12 novos modelos totalmente movidos através de eletricidade e 12 novos carros híbridos.

Em 08 de março, o grupo que integra as marcas BMW, Mini e Rolls-Royce, tinha dito que em 2017 teve um resultado líquido de 8.706 milhões de euros, mais 26% que no ano anterior, por causa da reforma fiscal nos Estados Unidos.

A faturação aumentou no ano passado 4,8% para 98.678 milhões de euros, com as vendas a crescerem 4%, para 2,5 milhões de automóveis, enquanto o resultado antes de impostos subiu 10% para os 10.660 milhões de euros.

Os impostos sobre os lucros diminuíram em 1.949 milhões de euros no ano passado, contra os 2.755 milhões em 2016.

O grupo construtor automóvel informou hoje que vai propor na próxima assembleia-geral de acionistas a distribuição de um dividendo de 4,02 euros por ação, mais 3,5 euros que o valor distribuído em 2016.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A “golpada”, a falta de património e o risco todo no lado da CGD

Luís Castro Henriques .
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Luís Castro Henriques: “Portugal já não é um país de burocratas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
BMW antevê lucros em “ponto morto” por causa dos carros elétricos