mobilidade

BMW e Daimler juntam-se para combater Uber. Vão investir mil milhões de euros

Dieter Zetsche, presidente executivo do grupo Daimler; e Harald Kruger, presidente executivo da BMW. REUTERS/Axel Schmidt
Dieter Zetsche, presidente executivo do grupo Daimler; e Harald Kruger, presidente executivo da BMW. REUTERS/Axel Schmidt

Os dois grupos alemães vão juntar as operações em cinco áreas e criar 1000 postos de trabalho. Nova empresa terá sede em Berlim, na Alemanha.

É um dia histórico na indústria automóvel. Os grupos BMW e Daimler (dona da Mercedes) juntaram as marcas de mobilidade urbana para combater rivais norte-americanos como a Uber e a Lyft. BMW e Daimler vão investir, em conjunto, mil milhões de euros e vão criar 1000 postos de trabalho nos próximos anos. A sede da nova empresa será em Berlim, considerada uma das maiores cidades tecnológicas da Europa. Os dois grupos alemães terão, cada um, uma participação de 50% na nova empresa.

Os dois grupos alemães vão juntar as operações em cinco áreas: partilha de carros; postos de carregamento para carros elétricos; serviços para chamar táxis ou outros transportes; uma ferramenta para encontrar lugares de estacionamento; e ainda uma solução para aluguer de automóveis à hora, de acordo com o anúncio feito esta sexta-feira em Berlim. Ao todo, são 14 marcas, que servem um total de 60 milhões de clientes.

Esta fusão terá impacto no mercado português sobretudo na área de partilha de carros e nos serviços de pedido de táxis ou outros transportes.

A unidade de partilha de carros vai designar-se Share Now e vai juntar a DriveNow e a Car2Go, dos grupos BMW e Daimler, respetivamente. Em conjunto, têm uma frota de 20 000 automóveis, espalhada por mais de 30 cidades, e que está presente em Portugal através da DriveNow, que tem uma frota superior a 200 automóveis na cidade de Lisboa.

Nos serviços de pedido de transportes, a Mytaxi vai mudar de nome, passando a chamar-se FreeNow. Não se sabe para já se a Kapter, ex-Chauffeur Privé, também vai passar a ter esta designação. Esta marca também vai incluir as trotinetes elétricas partilhadas, que começaram em Portugal através da marca Hive.

Outras mudanças

A fusão das restantes operações não vai ter impacto no mercado português. BMW e Daimler vão juntar na Park Now as soluções para que os clientes possam encontrar mais facilmente lugares para estacionar dentro das cidades; na Charge Now, estarão disponíveis mais de 100 000 postos de carregamento de carros elétricos espalhados por 25 países; com a Reach Now, os clientes poderão encontrar aplicações móveis que vão indicar uma variedade de opções de transportes entre o ponto de partida e o local de chegada.

A oferta conjunta da BMW e Daimler poderá não ficar por aqui. “Iremos discutir em conjunto sobre futuras aquisições de startups” na área da mobilidade, admitiu o presidente executivo do grupo Daimler, Dieter Zetsche, durante a conferência de imprensa.

Experiência faz a diferença

BMW e Daimler assumem que empresas como a Uber e a Lyft, consideradas as duas maiores plataformas de transportes dos Estados Unidos, são neste momento as principais rivais na área da mobilidade. E ainda é preciso contar com os chineses da Didi nesta ‘rivalidade’. Mas os dois gigantes alemães querem destacar-se pela qualidade e pela história.

“Podemos oferecer aos nossos clientes duas marcas fortes e com oferta muito variada. Podemos juntar o hardware e o software. É uma competência que nem todas as empresas têm”, destacou Harald Kruger . O presidente executivo da BMW lembra:”oferecemos produtos e serviços no segmento premium. É dessa forma que nos queremos diferenciar”.

A fusão das marcas de mobilidade urbana da BMW e Daimler foi anunciada no final de março de 2018 e foi apresentada oficialmente esta sexta-feira depois de a operação ter sido validada pelas autoridades.

(Notícia atualizada às 11h14 com mais informação sobre a fusão)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

O ensino profissional é uma das áreas em que Portugal se posiciona pior na tabela do IMD World Talent Ranking 2019. Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal é 23º no ranking mundial de talento. Caiu seis posições

Presidente executivo da TAP Antonoaldo Neves. Fotografia: NUNO FOX/LUSA

TAP faz emissão de dívida só para investidores institucionais

Outros conteúdos GMG
BMW e Daimler juntam-se para combater Uber. Vão investir mil milhões de euros