Bolsa

Bolsa de Hong Kong oferece 33,1 mil milhões pela bolsa de Londres

Imagem do exterior da bolsa de Hong Kong. (Fotografia: EPA/JEON HEON-KYUN)
Imagem do exterior da bolsa de Hong Kong. (Fotografia: EPA/JEON HEON-KYUN)

Caso este acordo venha a ser concluído, o que se prevê para o segundo semestre de 2020, será o maior da história da bolsa de Hong Kong.

O operador da bolsa de Hong Kong ofereceu 26,6 mil milhões de libras (33,1 mil milhões de euros) para comprar a bolsa de Londres, indicou esta quarta-feira a Bloomberg.

O presidente-executivo da Hong Kong Exchanges and Clearing (HKEX), Charles Li, disse que o negócio entre a HKEX e a London Stock Exchange Group (LSEG) irá “redefinir o mercado de capitais global nas próximas décadas”.

Caso este acordo venha a ser concluído, o que se prevê que possa acontecer no segundo semestre de 2020, será o maior da história da bolsa de Hong Kong.

Em 2012, o operador da bolsa de Hong Kong já havia comprado a London Metal Exchange por 1,4 mil milhões de libras (1,57 mil milhões de euros).

Para Charles Li, as duas empresas têm “grandes marcas, solidez financeira e um comprovado histórico de crescimento”.

“Juntos, ligaremos o Leste e o Oeste, seremos mais diversificados e poderemos oferecer aos clientes uma maior inovação, gestão de riscos e oportunidades de negociação”, salientou em comunicado.

O presidente executivo da Partners Capital International em Hong Kong, Ronald Wan, afirmou a propósito desta oferta de compra que “estas são as duas maiores bolsas do mundo”, e lembrou que “um ‘takeover’ [tomada de controle] por parte de Hong Kong, uma região administrativa especial da China, poderia ser visto como um ‘takeover’ por parte da China”.

“Não será fácil eliminar todos os obstáculos em termos de regulação”, alertou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Bolsa de Hong Kong oferece 33,1 mil milhões pela bolsa de Londres