Empresas familiares

Bolsa: Semapa entre as empresas familiares com melhor performance na Europa

As seis empresas familiares cotadas em Portugal valem em bolsa um valor total de 31 mil milhões de euros, segundo o 'Credit Suisse Family 1000'.

A Semapa, dona da Portucel, está no top 20 da lista das empresas familiares cotadas com melhor performance em bolsa na Europa, segundo a base de dados ‘Credit Suisse Family 1000’ de 2018.

O grupo português da família Queiroz Pereira figura na 16ª posição do ranking de empresas com melhor performance com base na remuneração acionista nos últimos três anos, cinco anos e 10 anos, em média, face ao setor, segundo o relatório sobre empresas familiares do Credit Suisse Research Institute, divulgado esta segunda-feira.

Nos três períodos, a performance da Semapa face ao setor situou-se entre os 12% e os 22%.

No ranking sobre crescimento e remuneração acionista, a Semapa ocupou a 28ª posição, segundo o mesmo relatório.

O empresário Pedro Queiroz Pereira, que comandava o grupo Semapa, morreu no passado mês de agosto. No ano passado, o gestor já tinha preparado a sucessão no seu grupo empresarial, deixando o legado às suas três filhas.

Jerónimo Martins entre as mais antigas do mundo

Portugal conta com seis empresas familiares cotadas, apenas menos uma do Espanha enquanto países como a França e a Alemanha lideram, com 45 e 42 empresas cotadas controladas por famílias, respetivamente.

As seis empresas familiares cotadas em Portugal valem em bolsa um valor total de 31 mil milhões de euros.

A Jerónimo Martins, criada em 1792, é a quarta empresa familiar mais antiga da base de dados do Credit Suisse.

O ‘Credit Suisse Family 1000’ é uma base de dados criada em 2017 por analistas do Credit Suisse e agrega dados de 1000 empresas familiares cotadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Bolsa: Semapa entre as empresas familiares com melhor performance na Europa