5G

Boris Johnson admite usar Huawei no 5G. “Críticos que apresentem alternativas”

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido REUTERS/Henry Nicholls
Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido REUTERS/Henry Nicholls

EUA voltam a pressionar Reino Unido para não usar equipamentos da Huawei, mas primeiro-ministro do país pede alternativas à marca chinesa

É um dos temas mais relevantes do momento para as autoridades norte-americanas, que não querem que países ocidentais e parceiros dos EUA usem nas suas redes (3G, 4G e, especialmente, 5G) tecnologia da marca chinesa Huawei. Os níveis de pressão já chegaram a muitos países europeus, inclusive a Portugal.

Agora o tema volta à ribalta ao Reino Unido, já que a decisão sobre que tecnologia usar para a implementação do 5G no país tem de ser tomada este mês. Depois das autoridades britânicas terem garantido que é possível manter a segurança usando, de forma básica e limitada, infraestrutura da Huawei, uma delegação norte-americana que visitou o Reino Unido voltou a fazer sérios avisos contra o uso de equipamentos da marca chinesa.

A notícia é dada pelo Financial Times, que indica que representantes do departamento de segurança dos EUA apresentaram um dossiê técnico aos seus homólogos britânicos numa reunião realizada na segunda-feira em Londres, numa última tentativa de persuadir o fecho de um acordo com a Huawei.

O novo esforço dos EUA surge porque é esperado que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, autorize o uso de equipamento da Huawei em partes “não chave” da rede de telecomunicações do país. Entretanto, Johnson já respondeu aos críticos numa entrevista à BBC News, pedindo fornecedores alternativos. O primeiro-ministro britânico afirmou que nunca apoiaria nenhuma infraestrutura que comprometeria a capacidade do país de cooperar com seus aliados principais (Canadá; EUA; Nova Zelândia e Austrália), mas admitiu que está comprometido em garantir que o Reino Unido tenha “acesso à melhor tecnologia possível”.

“Queremos disponibilizar banda larga 5G a todos. Agora, se as pessoas se opõem a uma marca ou a outra, precisam de nos dizer qual é a alternativa”. Os comentários de Johnson contrariam, em parte, os desejos dos EUA. No dossiê entregue as autoridades americanas alertam que seria “uma loucura” usar a tecnologia Huawei nas redes 5G do Reino Unido, isto apesar das agências do Reino Unido já terem garantido que o uso de equipamentos da Huawei não irá comprometer a segurança nacional.

Os EUA, que proibiram a Huawei das suas redes 5G e colocaram a empresa numa lista negra comercial, têm deixado alertas que a partilha de informação classificada entre os países que usem equipamentos da Huawei pode estar em risco e já fizeram essa mesma ameaça ao Reino Unido.

O executivo de Donald Trump receia que exista influência do governo chinês e espionagem nas empresas do país, como é o caso da Huawei.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Boris Johnson admite usar Huawei no 5G. “Críticos que apresentem alternativas”