5G

Boris Johnson admite usar Huawei no 5G. “Críticos que apresentem alternativas”

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido REUTERS/Henry Nicholls
Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido REUTERS/Henry Nicholls

EUA voltam a pressionar Reino Unido para não usar equipamentos da Huawei, mas primeiro-ministro do país pede alternativas à marca chinesa

É um dos temas mais relevantes do momento para as autoridades norte-americanas, que não querem que países ocidentais e parceiros dos EUA usem nas suas redes (3G, 4G e, especialmente, 5G) tecnologia da marca chinesa Huawei. Os níveis de pressão já chegaram a muitos países europeus, inclusive a Portugal.

Agora o tema volta à ribalta ao Reino Unido, já que a decisão sobre que tecnologia usar para a implementação do 5G no país tem de ser tomada este mês. Depois das autoridades britânicas terem garantido que é possível manter a segurança usando, de forma básica e limitada, infraestrutura da Huawei, uma delegação norte-americana que visitou o Reino Unido voltou a fazer sérios avisos contra o uso de equipamentos da marca chinesa.

A notícia é dada pelo Financial Times, que indica que representantes do departamento de segurança dos EUA apresentaram um dossiê técnico aos seus homólogos britânicos numa reunião realizada na segunda-feira em Londres, numa última tentativa de persuadir o fecho de um acordo com a Huawei.

O novo esforço dos EUA surge porque é esperado que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, autorize o uso de equipamento da Huawei em partes “não chave” da rede de telecomunicações do país. Entretanto, Johnson já respondeu aos críticos numa entrevista à BBC News, pedindo fornecedores alternativos. O primeiro-ministro britânico afirmou que nunca apoiaria nenhuma infraestrutura que comprometeria a capacidade do país de cooperar com seus aliados principais (Canadá; EUA; Nova Zelândia e Austrália), mas admitiu que está comprometido em garantir que o Reino Unido tenha “acesso à melhor tecnologia possível”.

“Queremos disponibilizar banda larga 5G a todos. Agora, se as pessoas se opõem a uma marca ou a outra, precisam de nos dizer qual é a alternativa”. Os comentários de Johnson contrariam, em parte, os desejos dos EUA. No dossiê entregue as autoridades americanas alertam que seria “uma loucura” usar a tecnologia Huawei nas redes 5G do Reino Unido, isto apesar das agências do Reino Unido já terem garantido que o uso de equipamentos da Huawei não irá comprometer a segurança nacional.

Os EUA, que proibiram a Huawei das suas redes 5G e colocaram a empresa numa lista negra comercial, têm deixado alertas que a partilha de informação classificada entre os países que usem equipamentos da Huawei pode estar em risco e já fizeram essa mesma ameaça ao Reino Unido.

O executivo de Donald Trump receia que exista influência do governo chinês e espionagem nas empresas do país, como é o caso da Huawei.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas. Novo Banco custa mais 0,3% do PIB em 2020, vírus não se sabe

(D.R.)

Compras portuguesas de cereais estão seguras. Consumo já cai e volta ao bairro

autoeuropa coronavirus

Siza Vieira: Nem estado de emergência impede Autoeuropa de reabrir a 20 de abril

Boris Johnson admite usar Huawei no 5G. “Críticos que apresentem alternativas”