Casas de luxo

Brasileiros dispostos a pagar 900 mil euros para viver em Portugal

Os imóveis de luxo estão com franca procura. Fotografia: D.R.
Os imóveis de luxo estão com franca procura. Fotografia: D.R.

A procura por casas de luxo em Portugal está em alta. Sobretudo por parte de brasileiros, mas já há sinais da chegada de norte-americanos e indianos

As casas de luxo estão com forte procura e não é só em Lisboa e Algarve. O Porto também está a despertar o apetite dos investidores. Os brasileiros são, neste momento, os mais ativos na procura de imóveis premium. “É a nacionalidade que mais cresce”, frisa Miguel Poisson, diretor geral da Sotheby’s Portugal, imobiliária líder no setor do luxo. “E está-se a assistir à entrada de nacionalidades que vão ser muito importantes no futuro, como os norte-americanos e os indianos”.

Os brasileiros estão a ser empurrados para outras paragens pela difícil situação económica e a insegurança permanente que se vive no Brasil. A língua comum e uma cultura próxima, associadas à segurança que se regista em Portugal e ao status de ser um país europeu, têm ditado esta escolha. Ainda assim, e nas contas da Sotheby’s, os franceses continuam a liderar a compra de imóveis de luxo, seguidos dos ingleses.

Augusto Homem de Mello, responsável da Louvre Properties (promotora especializada em reabilitação para o mercado de luxo) conta que tem há apenas três semanas um projeto de nove apartamentos em pré-venda nas imediações da Avenida da Liberdade (Lisboa) e já garantiu duas reservas e a possibilidade de concluir outras cinco. Os compradores são “um mix de brasileiros, alemães e nórdicos”, sendo que o edifício “está vocacionado para o target brasileiro, que responde muito bem a estes conceitos”. A Louvre Properties sentiu um forte crescimento de compradores brasileiros a partir do segundo semestre do ano.

Uma fatia de 70% de estrangeiros
A Sotheby’s registou em Portugal “um ano muito, muito positivo”, estimando encerrar o exercício com um valor de vendas da ordem dos 300 milhões de euros, o que a confirmar-se significa um crescimento de 11% face a 2017, afirma Miguel Poisson. Venderam-se mais casas, mas também o preço dos imóveis aumentou, sendo que o valor médio das operações da imobiliária situou-se, este ano, nos 900 mil euros. Os estrangeiros representam 70% da carteira de clientes. A Sotheby’s Portugal foi a filial número 1 em toda a zona Europa, Médio Oriente, Rússia, Índia e África.

O dinamismo do mercado conduziu à constituição da Louvre Properties, que há quatro anos apostou na requalificação de imóveis para o segmento de luxo em Lisboa e Cascais, fruto da aliança entre um investidor francês e outro português. Atualmente contabiliza um investimento acumulado da ordem dos 60 milhões de euros em sete edifícios para reabilitação, estando prevista a conclusão do primeiro projeto para o primeiro trimestre de 2019. Segundo Augusto Homem de Leme, os 21 apartamentos estão todos vendidos e maioritariamente a estrangeiros, apenas um foi comprado por portugueses. Já os outros dois imóveis para entrega em 2019 têm atraído também o interesse dos nacionais.

O imobiliário “é um setor refúgio para as famílias portuguesas de classe alta e para os investidores privados e institucionais”, numa altura em que “não existem alternativas de investimento financeiro com rendimentos muito elevados”, explica Miguel Poisson. Atualmente, os portugueses já voltaram a aplicar as suas poupanças na aquisição de segundas residências, depois do movimento de venda que se assistiu nos primeiros anos da crise. E é o Algarve a centrar as atenções. A região continua a despertar o interesse dos estrangeiros e nomeadamente dos ingleses em consequência do Brexit e da desvalorização da libra. “Os ingleses querem investir numa moeda segura, pois há um grande receio de uma forte desvalorização da libra”.

Porto em escalada
Mas o Porto está também a registar um forte crescimento na procura, despoletada pela notoriedade que a cidade tem vindo a conquistar a nível mundial. Os preços das casas, cerca de 30% abaixo dos praticados em Lisboa, têm sido também um argumento de atração dos investidores.

O mercado de luxo no Norte “tem vindo a subir cerca de 12% este ano, devido principalmente a clientes estrangeiros”, garante Miguel Aguiar, CEO da imobiliária KW Business. Os preços começam nos 750 mil euros, para apartamentos com tipologias T3 e T4, e partem de um milhão quando se trata de moradias. O centro do Porto tem registado uma subida de preços de 30% a 40% nos últimos dois anos e na Foz o aumento é superior a 20%.

A Louvre Properties está já a olhar para o Porto e afirma que o seu objetivo “é posicionar-se como player nacional” e estender o negócio aos segmentos da segunda habitação e turismo. Talvez porque “a procura está claramente acima da oferta”, como sublinha Miguel Aguiar, a Louvre sente que “os preços estão a subir mais rapidamente que em Lisboa”. Contudo, “ainda estão abaixo das grandes cidades europeias”, recorda o responsável da KW Business. Para Miguel Poisson, “o Porto teve um desfasamento temporal face a Lisboa, mas agora está em plena ebulição, com a entrada de muitos investidores e promotores”.

No próximo ano, a procura por imóveis de luxo não deverá abrandar, embora os preços tendam a estabilizar principalmente em Lisboa. “É expectável que se mantenha a procura, que Portugal beneficie da notoriedade conseguida”, diz Miguel Poisson. E para responder a este ambiente de confiança, a Sotheby’s está já a desenvolver um programa de recrutamento de 50 pessoas para integrar em 2019.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Banco de Portugal

Bancos concederam moratórias a 741 623 empréstimos entre março e junho

Pingo Doce

PD. Sindicato quer impugnar no Tribunal “golpada” no referendo do banco de horas

Hiper Pingo Doce__00266

Sindicato leva banco de horas do Pingo Doce a tribunal

Brasileiros dispostos a pagar 900 mil euros para viver em Portugal