transportes

Brisa começa a partilhar carros da BMW e Mini até final do ano

Brisa associa-se à empresa de car sharing DriveNow, que disponibiliza carros da BMW e da Mini. Fotografia:     REUTERS/Michaela RehleS
Brisa associa-se à empresa de car sharing DriveNow, que disponibiliza carros da BMW e da Mini. Fotografia: REUTERS/Michaela RehleS

Lisboa é a primeira cidade da Península Ibérica a disponibilizar serviço da DriveNow, empresa detida em 50% pelo grupo BMW

A Brisa vai lançar até ao final do ano um sistema de partilha de carros (car sharing) na cidade de Lisboa. A empresa juntou-se à plataforma DriveNow, que vai disponibilizar carros da BMW e Mini na capital portuguesa. O aluguer destes veículos será pago ao minuto e os clientes poderão deixar os automóveis em qualquer ponto da cidade (modelo de free floating). No preço estão incluídos os custos como seguros, combustível e estacionamento. Lisboa é a primeira cidade da Península Ibérica a disponibilizar este serviço.

“A Brisa está a posicionar-se não apenas como mero gestor de infraestruturas mas também como operador de mobilidade”, assinalou Vasco de Mello, presidente do grupo Brisa, em conferência de imprensa realizada no Lisbon Story Centre esta segunda-feira. A gestora de autoestradas diz que escolheu “o melhor parceiro mundial” na área da mobilidade.

Mais detalhes sobre a parceria, como os modelos para alugar ou os preços de aluguer, serão adiantados entre o final de agosto e o início de setembro. Através do portal da DriveNow é possível ver que o aluguer destes automóveis, por exemplo, em Milão (Itália) tem um custo mínimo de 31 cêntimos por minuto e que há uma tarifa extra de cinco euros nas viagens com início ou fim no aeroporto. A inscrição na plataforma tem um custo de 29 euros.

Em comparação, a Citydrive, nascida em Portugal em 2014, disponibiliza para aluguer modelos a gasóleo e gasolina do Opel Adam e Skoda Fabia por 29 cêntimos por minuto. Cada aluguer inclui 20 quilómetros por cada hora e custos como seguros, combustível e estacionamento em qualquer local de Lisboa, mesmo os geridos pela EMEL.

Leia aqui: Shareacar: O seu carro pode servir para as férias dos turistas

Presente em 12 cidades na Europa e com 925 mil clientes registados, a DriveNow habitualmente disponibiliza quer carros 100% elétricos quer veículos híbridos ou veículos com motor de combustão interna.

A empresa alemã justifica a escolha da empresa portuguesa com a “experiência na gestão de frotas, a visão da criação de um ecossistema de mobilidade e o longo percurso na inovação”, indicou Aurika von Nauman, responsável de comunicação da DriveNow na conferência de imprensa. A DriveNow é detida pela BMW e pela Sixt, que possuem, cada um 50% do capital.

No mesmo âmbito, a Brisa apresentou há duas semanas a Via Verde Boleias, uma plataforma de partilha de viagens que funciona através da Internet ou de uma aplicação.

Fila entre Lisboa e Paris

Também presente na apresentação, Fernando Medina destacou a importância deste tipo de serviços para a capital. O presidente da Câmara de Lisboa indicou que entram 370 mil automóveis todos os dias na cidade: “alinhados e em linha recta, estes carros dariam uma fila entre Lisboa e Paris”.

O edil recordou também que Lisboa “tem de ter um bom sistema de transportes” e que permita ligar, por exemplo, “as estações de metro com as paragens do autocarro e os parques de estacionamento com os interfaces de transportes”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Brisa começa a partilhar carros da BMW e Mini até final do ano