aviação

Bruxelas insta Ryanair a “mostrar responsabilidade social”

Ryanair

"implementar uma lei em vigor não é matéria negocial", comentou a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc.

As comissárias europeias dos Transportes e dos Assuntos Sociais instaram, esta quarta-feira, a companhia aérea Ryanair a “mostrar responsabilidade social” na disputa que trava com as suas tripulações de cabine, advertindo que o respeito pela lei laboral aplicável não é negociável.

“Aqueles que reinam no céu também devem ser responsáveis no solo. Convido todos os grandes operadores, incluindo a Ryanair, que se tornou agora a principal companhia aérea europeia em termos de tráfego, a agir de forma responsável e a ser líder igualmente em assuntos sociais”, declarou a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc.

Numa entrevista conjunta a correspondentes em Bruxelas sobre as questões sociais no setor da aviação, a comissária responsável pelo Emprego, Assuntos Sociais e Mobilidade Laboral, Marianne Thyssen, comentou por seu turno que as mais recentes posições negociais da Ryanair, que se mostrou disponível para começar a celebrar contratos locais, são sinais positivos, mas advertiu que “implementar uma lei em vigor não é matéria negocial”, há simplesmente que cumprir a lei.

“Olhando para a Ryanair, trata-se de uma das maiores companhias aéreas europeias e um excelente exemplo do potencial do nosso mercado interno. Mas, tendo dito isto, devo acrescentar de imediato que o nosso mercado interno é organizado, não é uma selva. Temos regras, que têm de ser respeitadas e implementadas, e isso aplica-se também ao setor da aviação”, disse.

Referindo-se concretamente à “disputa laboral” em curso sobre a lei laboral que se aplica às tripulações, Thyssen sublinhou que, “neste ponto, as regras europeias são claras: dizem que é o sítio de onde o trabalhador sai de manhã e regressa à noite que é determinante”, algo que “foi clarificado há dois anos pelo Tribunal de Justiça, pelo que não restam dúvidas”.

Leia também: Ryanair. Pilotos apelam à substituição de Michael O’Leary

“A Ryanair diz-nos que tem o seu modelo de negócios low- cost. Muito bem, respeitamos. Mas vemos que outras companhias low- cost na UE trabalham com contratos locais, por isso a minha questão à Ryanair é: «do que é que estão à espera?»”, acrescentou.

A comissária Bulc adiantou que a Comissão está a fazer uma análise detalhada sobre as condições de trabalho das tripulações de cabine e como as companhias aéreas estão a exercer o conceito de base de operação, e espera publicar um relatório até final do corrente ano.

Ambas as comissárias fizeram votos para que, tal como já sucedeu em Itália — onde a Ryanair chegou na semana passada a um acordo com os sindicatos representativos da tripulação de cabine para a assinatura de um acordo coletivo de trabalho -, a companhia aérea chegue a entendimento com os seus trabalhadores noutros Estados-membros, em nome da “paz social”, reafirmando que, para tal, é necessário “mostrar responsabilidade social”, pois não basta “reinar no céu”.

A Ryanair tem estado envolvida num conflito com sindicatos a nível europeu, também com impacto em Portugal, nomeadamente depois de uma greve da tripulação de cabine em abril, em que a empresa foi acusada de intimidar os trabalhadores.

Para a próxima semana, concretamente em 28 de setembro, está convocada a segunda greve europeia na Ryanair, já que os sindicatos que representam a tripulação de cabine realizaram em 25 e 26 de julho uma greve em Espanha, Portugal, Itália e Bélgica. A paralisação em Itália só se realizou no primeiro dos dois dias.

A ação de 28 de setembro conta com a participação de sindicatos italianos, o português Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), uma estrutura sindical belga, duas espanholas e uma holandesa.

Em cima da mesa está, nomeadamente, a exigência para que os contratos de trabalho da Ryanair sejam feitos, segundo a lei laboral nacional de cada país, e não a irlandesa, que tem sido aquela usada pelo grupo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo ganha 128 milhões de euros em receita com aumentos da função pública

Autoridade para as Condições do Trabalho

Inspetores do Estado contra “140 anos para chegar ao topo da carreira”

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Incentivos fiscais à inovação dão 200 milhões às empresas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Bruxelas insta Ryanair a “mostrar responsabilidade social”