Tecnologia

Bruxelas lança observatório para blockchain

Mariya Gabriel, comissária europeia para a Economia Digital e Sociedade. Fotografia: 
EPA/STEPHANIE LECOCQ
Mariya Gabriel, comissária europeia para a Economia Digital e Sociedade. Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Comissão Europeia vai estudar os impactos desta tecnologia em áreas como ambiente, economia, saúde e gestão de identidades.

Arrancou esta quinta-feira o observatório e fórum europeu dedicado ao protocolo blockchain. A iniciativa da Comissão Europeia visa monitorizar as tendências e desenvolvimentos nesta área, realizar debates informais e inspirar ações comunitárias para o uso desta tecnologia. Bruxelas já dedicou 83 milhões de euros a projetos desta área, premiar as melhores iniciativas e ainda estudar os impactos desta tecnologia em áreas como ambiente, economia, saúde e gestão de identidades.

“O blockchain pode proporcionar grandes melhorias à indústria europeia, desde as startups às grandes empresas, às administrações e aos cidadãos. Pode proporcionar serviços mais eficientes e emergir outros para governos, empresas e organizações; também pode permitir novos negócios de distribuição e de interação baseados em trocas de pessoa para pessoa (P2P), sem necessidade de plataformas centralizadas ou de intermediárias”, refere a Comissão Europeia numa publicação feita esta quinta-feira.

A Comissão Europeia está a avaliar o potencial da tecnologia blockchain desde maio de 2017, ao abrigo do Mercado Único Digital. Além do observatório, Bruxelas vai lançar também um prémio de cinco milhões de euros para distinguir as melhores inovações ao abrigo deste protocolo.

Além dos 83 milhões de euros já alocados a esta área, a Comissão Europeia poderá ainda investir mais 340 milhões de euros até 2020 em projetos dedicados a este protocolo.

Bruxelas também vai avaliar o potencial do protocolo blockchain na oferta de serviços partilhados entre os vários serviços europeus. Esta tecnologia pode facilitar a cobrança de IVA, de taxa; ajudar em questões alfandegários e registo de empresas; apoiar na elaboração de relatórios ambientais e financeiros; gestão de dados de saúde, ensaios clínicos, de medicamentos e mesmo de identidades.

O protocolo blockchain é conhecido mundialmente por ser a tecnologia base de criptomoedas como a bitcoin ou a ethereum, mas pode ser usada em várias áreas de atividade. Promove mais transparência nos negócios porque a informação armazenada pode ser partilhada, verificada, é pública e está acessível.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Bruxelas lança observatório para blockchain