CES 2016

BUDD-e: a primeira tentativa de redenção da Volkswagen

A marca alemã aproveitou o Consumer Electronics Show para apresentar a versão moderna da célebre "pão de forma"

É a primeira tentativa da Volkswagen de voltar a tempos mais felizes, depois do escândalo em que se viu envolvida no ano passado, ao admitir que manipulou os níveis de gases poluentes emitidos por alguns dos seus modelos.

A marca alemã aproveitou o Consumer Electronics Show, a feira de tecnologia que está a decorrer esta semana em Las Vegas, para apresentar uma espécie de reencarnação do Microbus – a célebre “pão de forma”.

O BUDD-e será a versão elétrica e moderna do icónico furgão da Volkswagen, que deixou de ser produzido em 2013, ao fim de mais de 60 anos. Para já, é apenas um conceito, mas poderá chegar ao mercado em 2019.

Leia também: Intel mostra óculos inteligentes, drones e um capacete inteligente

O novo modelo conta com o sistema Modular Electric Toolkit, que vai ser integrado nos futuros carros elétricos da Volkswagen, e com dois motores elétricos, um por cada eixo. O carro deverá atingir 150 quilómetros por hora e a bateria (que pode ser carregada com um sistema wireless e até 80% em 30 minutos) terá autonomia para 600 quilómetros.

O anúncio deste novo carro chega depois de a Volkswagen se ter comprometido a apostar em modelos elétricos e não poluentes, numa altura em que enfrenta o impacto do escândalo das emissões poluentes. Este investimento terá de ser equilibrado com os custos decorrentes deste escândalo, que não param de aumentar. Esta semana, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos apresentou uma queixa contra a Volkswagen; a marca poderá enfrentar, só neste caso, uma multa superior a 74 mil milhões de euros.

Conheça o BUDD-e:

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno ladeado pelos representantes dos dois maiores credores de Portugal: Pierre Moscovici (Comissão) e Klaus Regling (ESM). Fotografia: EPA/JULIEN WARNAND

Centeno usa verbas da almofada de segurança para pagar aos credores europeus

Paulo Fernandes lidera o grupo Cofina. (Carlos Manuel Martins/Global Imagens)

Foto: Arquivo

Cofina quer TVI sem remédios

Crédito: Windfloat

EDP Renováveis leva tecnologia eólica flutuante para a Ásia e investe na Coreia

Outros conteúdos GMG
BUDD-e: a primeira tentativa de redenção da Volkswagen