media

Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

Acionistas da Prisa deram luz verde à venda da Vertix, que detém a maioria da Media Capital, à Cofina.

Os acionistas da Prisa aprovaram esta quarta-feira a venda da Vertix, que detém a maioria da Media Capital, à Cofina, em assembleia-geral extraordinária, em Madrid, segundo um comunicado enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola.

Na mesma nota, a empresa deu conta da aprovação de todos os pontos colocados à votação, incluindo o segundo, que dá ‘luz verde’ à operação.

Assim, foi aprovada a “alienação da Vertix”, que acordou com a Cofina, dona do Correio da Manhã, “um contrato de compra e venda de 100% das ações em que se divide o capital social da Vertix, o que implica a transmissão direta de 94,69% do capital social do grupo Media Capital”, que detém a TVI, lê-se no comunicado.

“Este contrato de compra e venda, que foi alterado em alguns aspetos, com o objetivo de conferir maior certeza à execução da operação, através de uma adenda datada do dia 23 de dezembro de 2019, encontra-se sujeito ao cumprimento de determinadas condições suspensivas”, incluindo a aprovação do mesmo em assembleia-geral.

Fica agora o Conselho de Administração da Prisa mandatado para levar a cabo as operações necessárias à conclusão da operação.

Também hoje os acionistas da Cofina vão reunir-se para debater dois pontos: “deliberar sobre a alteração da redação do n.º 2 do artigo 4.º dos estatutos da sociedade, autorizando o Conselho de Administração para aumentar o capital social da sociedade, com definição de condições de exercício da referida autorização”, e um outro ponto com mais alterações estatutárias, nomeadamente sobre o funcionamento da administração.

A Cofina vai realizar um aumento de capital de até 85 milhões de euros para comprar a Media Capital.

Em 30 de dezembro, a Autoridade da Concorrência (AdC) anunciou a sua não oposição à compra da Media Capital pela Cofina, que era uma das condições da dona do Correio da Manhã para o sucesso da oferta.

No anúncio preliminar de lançamento da oferta pública de aquisição (OPA), a Cofina fez depender o sucesso da operação de um conjunto de condições prévias, entre as quais a não oposição por parte da AdC, a autorização da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), a aprovação, pela assembleia-geral da espanhola Prisa, da transação, bem como a aprovação e execução de um ou mais aumentos de capital social da dona do Correio da Manhã para financiar a compra da Media Capital.

Em 23 de dezembro, a Cofina anunciou ter acordado com a Prisa a redução do preço da compra em 50 milhões de euros face aos 255 milhões de euros [‘enterprise value’] comunicados em 21 de setembro.

Ou seja, o preço de aquisição é agora de 123,29 milhões de euros, o que corresponde a um ‘enterprise value’ (inclui a dívida da dona da TVI) de 205 milhões de euros.

Pela transação, a Prisa irá receber 123,9 milhões de euros, menos 27% do que o previsto inicialmente, o que representa um prejuízo para a editora do El País de 54,3 milhões de euros nas suas contas relativas aos primeiros nove meses do ano.

A venda da Media Capital está também condicionada à renúncia por parte de vários credores financeiros da Prisa.

O grupo Cofina detém, além do Correio da Manhã e do Record, a CM TV, o Jornal de Negócios, a revista Sábado, entre outros títulos.

Por sua vez, a Media Capital conta com seis canais de televisão e a plataforma digital TVI Player. Além da TVI, canal generalista em sinal aberto, conta com a TVI24, TVI Reality, TVI Ficção, TVI Internacional e TVI África.

A Media Capital tem também rádios, onde se inclui a Comercial.

A Cofina estima que a compra da dona da TVI esteja concluída no primeiro trimestre deste ano e que represente sinergias de 46 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina