Cafés da Nestlé já são distribuídos em carrinhas elétricas

É mais um passo do plano de sustentabilidade da multinacional que quer ter 450 veículos elétricos ou híbridos plug-in em todas as áreas do negócio até 2025, em Portugal.

A Nestlé Profissional está a renovar toda a frota de veículos de distribuição para auto venda a estabelecimentos hoteleiros, restauração e similares (canal Horeca) e já estão em circulação as primeiras carrinhas 100% elétricas das marcas Buondi, Sical, Tofa e Christina, para fazer entregas de cafés. Para apoiar a eletrificação da frota, a empresa instalou postos de carregamento em Linda-a-Velha, onde se localiza a sede da Nestlé, e nas fábricas do Porto e de Avanca, no concelho de Estarreja, Aveiro.

A novidade foi relatada ao Dinheiro Vivo por João Graça, marketing manager da Nestlé Profissional, explicando que a aposta numa frota de veículos elétricos está inserida no projeto Green Fleet, lançado pela companhia no ano passado com o objetivo de "transformar toda a frota de veículos - comerciais e não comerciais - em veículos elétricos e híbridos [plug-in]".

O plano materializa a concretização de um dos oito pilares do programa de sustentabilidade Crescer Sustentável da empresa, que prevê reduzir para metade as emissões de dióxido de carbono da Nestlé até 2030, em Portugal, e atingir a neutralidade carbónica até 2050.

Neste momento, já estão nas ruas cinco carrinhas 100% elétricas da frota de distribuição para auto venda no canal horeca. A empresa não especifica qual o número total desta frota, mas, segundo o marketing manager da empresa, o objetivo é ter mais de 465 veículos sustentáveis até 2025, para toda a operação da Nestlé no país.

O valor do investimento necessário para transformar a frota para o canal Horeca não é divulgado. João Graça refere, no entanto, que os veículos em causa - carrinhas Mercedes E-Vito 100% elétricas, tipo furgão longo - não foram adquiridas, mas sim, contratadas "regime de renting". "Nesse sentido, o investimento está a ser feito de forma progressiva, tendo em conta o espaço temporal do projeto". O um aluguer operacional de viaturas foi contratualizado à ALD Automotive.

A transformação não passa apenas pelos veículos de distribuição para o canal Horeca. A prazo, a Nestlé terá elétricos e híbridos a servir todas as áreas de negócio. "A Nestlé deu início, em meados do ano passado, ao seu projeto de transformação da totalidade da sua frota automóvel, comercial e não comercial para veículos elétricos e híbridos, uma iniciativa pioneira no país pela sua dimensão e que está inserida no compromisso, assumido globalmente pela Nestlé, de atingir a neutralidade carbónica até 2050", reitera o responsável da empresa. Neste momento, a dona das marcas Buondi, Sical, Tofa e Christina também já tem a circular 57 veículos ligeiros elétricos, para outras áreas do negócio.

João Graça sublinha que cada veículo elétrico evita a emissão anual de cerca de dez toneladas de dióxido de carbono. Acresce o benefício de, no caso das carrinhas elétricas de auto venda, a capacidade de autonomia de cada veículo "permitir aos vendedores realizarem os normais percursos de visitas diárias aos clientes sem terem de as interromper com carregamento, uma vez que estes serão feitos no período noturno".

Alterar na totalidade uma frota automóvel constitui um desafio para os trabalhadores. Por isso, a empresa está a fornecer aos profissionais "todos os conhecimentos necessários, com formação sobre a boa e eficiente gestão destes novos veículos".

"Foram já realizadas diversas sessões de formação sobre como conduzir um veículo elétrico, cuidados a ter na gestão das suas autonomias, locais de abastecimento e como utilizá-los de maneira eficiente, entre outras questões relacionadas com a gestão da mudança para um dia a dia diferente e mais sustentável", acrescenta.

Para alimentar a frota elétrica, a Nestlé Profissional equipou as instalações de Linda-a-Velha, Porto e Avanca com 72 carregadores elétricos. Ao todo, foram instalados 12 postos de carregamento na fábrica do Porto, seis na fábrica de Avanca, 52 no edifício-sede de Linda-a-Velha e, ainda, dois postos na delegação comercial no Funchal, Madeira.

"Além de já termos dotados todos os nossos edifícios com postos de carregamento para apoiar este processo de transformação, não se preveem outras necessidades de alteração de rotinas habituais de trabalho", acrescenta o marketing manager da Nestlé Profissional.

A aposta numa frota automóvel 100% elétrica até 2025 não é pilar único na estratégia de sustentabilidade ambiental da Nestlé. O programa Crescer Sustentável prevê etapas mais ambiciosas. João Graça salienta que "todos os oito pilares do programa estão em andamento". "A nossa abordagem é holística e vamos avançando o mais possível, com todas as iniciativas em simultâneo. Tratando-se do tema de sustentabilidade, só assim faz sentido", afirma.

Os compromissos visam melhorar também "cada etapa da cadeia de valor no negócio de cafés torrados" da Nestlé. "Este é um projeto 360º em que todas as iniciativas contribuem para o objetivo comum. Em todos os pilares temos avanços desde que lançámos o programa, em setembro do ano passado", afiança.

"Como exemplo: no capítulo da transformação dos materiais de embalagem já temos 100% das embalagens de café destinadas ao canal horeca 100% recicláveis; no capítulo do apoio ao emprego, o projeto TalentoXHoreca está já a colocar em contacto profissionais do setor com os empresários de cafés, restaurantes e hotéis e também com ações de formação para os profissionais baristas; os materiais de ponto de venda estão também a ser substituídos por outros mais sustentáveis; já está a decorrer a implementação do Projeto Café Circular, que tem como objetivo disponibilizar borras de café de forma totalmente gratuita para que o consumidor lhes possa dar utilização, com vista a um bom desenvolvimento das suas plantas - um projeto em parceria com as cafetarias Bagga e supermercados Go Natural, em todo o país, nos quais as borras de café são distribuídas em pacotes. E, claro, o projeto da frota elétrica também está já a arrancar em toda a força", conclui.

Informação corrigida, após publicação: inicialmente referia-se que as carrinhas das marcas da Nestlé tinham sido adquiridas em leasing, mas o regime correto é renting. Além disso, as carrinhas de distribuição para auto venda no canal horeca foram cedidas pela ALD Automotive, e não pela Arval. A Arval cedeu, sim, os veículos elétricos e híbridos para outras áreas de negócio, em 2021.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de